1st of dezembro

Exibicionismo Moral


Trechos do artigo “Exibicionismo Moral” (Moral Grandstanding), de Justin Tosi e Brandon Warmke.

“Este artigo examina o exibicionismo moral, uma proeminente forma de fala moral repugnante, e considera suas implicações morais.”

“Afirmamos basicamente que alguém está praticando exibicionismo moral quando faz uma contribuição para o discurso moral público com a meta de convencer aos outros de que é ‘moralmente respeitável’. Com isso, queremos dizer que o exibicionismo [moral] é um uso da fala moral que tenta fazer com que os outros cheguem a julgamentos desejáveis sobre si mesmo, isto é, que é alguém digno de respeito e admiração porque tem alguma qualidade moral — por exemplo, um compromisso impressionante com a justiça, uma sensibilidade moral altamente afinada, ou poderes de empatia sem paralelos. Exibir-se [moralmente] é transformar a própria contribuição ao discurso público num projeto de vaidade.”

“[S]uspeitamos que o exibicionismo funciona com frequência (mas não sempre) como uma forma de silenciar um rival ao apresentar o exibicionista como moralmente respeitável por contraste implícito. Assim, o exibicionismo [moral] funciona como uma tentativa de silenciar ou desacreditar outros participantes ao comunicar que suas opiniões não são dignas de consideração ou engajamento porque são defendidas por alguém que não é moralmente respeitável, ou que é menos que isso.”

Os autores classificam manifestações do exibicionismo moral, que são essas, em tradução livre:

– “Acumulação”: o exibicionista não acrescenta nada à discussão, mas se manifesta para se alinhar com a pressão social do grupo para o qual ou com o qual faz exibicionismo.

– “Radicalização”: os exibicionistas morais se engajam em competições implícitas de quem sugere a punição mais severa aos delitos morais percebidos, por exemplo, ou quem faz a afirmação mais “surpreendente” alinhada com determinada causa, para intensificar o sinal da exibição. É a corrida armamentista do lacre/mitagem mais impressionante que o lacre/mitagem alheio.

– “Falsificação”: os exibicionistas morais, para intensificar o sinal de sua exibição moral, forjam problemas morais que não existem, ou forjam a gravidade de problemas morais que existem. Como dizem os autores: “Onde algumas alegadas injustiças escapam ao radar moral de muitos, elas não são perdidas pelo olho clínico dos moralmente respeitáveis”, ou seja, dos exibicionistas morais.

– “Ultraje excessivo”: a ideia, aqui, é que a pessoa que demonstrar o maior grau de ofensa subjetiva com algum suposto problema é a que possui a maior capacidade de observação de problemas morais.

Os autores concluem que o exibicionismo moral, ubíquo na era da informação, é na maior parte moralmente problemático e não deveria, na maioria dos casos, ser praticado.

Na minha opinião, a maior arma contra o exibicionismo moral é a ridicularização. Quanto mais exibicionistas morais nós permitimos entre nós, mais contra-exibicionistas eles atraem, e somos todos arrastados para sua espiral descendente de masturbação psicológica disfarçada de insight.

17th of dezembro

Os novos carolas Como ativistas irracionais prejudicam suas causas


Uma moça foi contratada para posar de maiô junto a móveis de aço inoxidável, na publicidade de uma empresa que os vende. Em resposta, por considerarem isso errado, muitos ativistas atacaram a página em bando, chamando por avaliações baixas para a página e em consequência a empresa inteira. A empresa, muito espertamente, fez uma campanha nova oferecendo doar somas cada vez maiores a uma associação de deficientes conforme a avaliação de sua página subir, em reação às avaliações dos ativistas.

Algo similar aconteceu em Londres, quando em 2015 uma empresa que vende shakes de proteína botou no metrô uma campanha com uma modelo usando um biquíni amarelo, acompanhada de uma pergunta: “você está com o corpo pronto para a praia?”. Centenas de reclamações choveram sobre a autoridade responsável por regular anúncios no metrô, e o anúncio acabou sendo retirado por isso. Em resposta, a empresa foi a um país com mais liberdade de expressão publicitária, Estados Unidos, e simplesmente botou o mesmo anúncio na Times Square. A empresa ganhou popularidade e suas vendas aumentaram. Algumas outras marcas, também espertas, embarcaram na controvérsia, com imitações mais simpáticas às crenças dos ativistas. Mas a estrela acabou sendo a empresa que provocou a ira dos ativistas.

Muitos desses ativistas são incapazes de articular o que exatamente está errado, e são só seguidores de uma onda ideológica que se analisada de perto por sociólogos pode revelar como surgem novos tabus (religiosos), como o tabu bíblico contra tecer panos misturando fibras diferentes. Alguns poucos, no entanto, tentam explicar seu ultraje. Alguns dizem que diz respeito à imagem corporal, que há pessoas cuja auto-imagem depende bastante do que está na mídia popular, e que falta de sensibilidade com essas pessoas pode criar ou piorar problemas como a anorexia nervosa. Já ouvi também a alegação de que se trata de “objetificação” sexista, que causa ou piora o estereótipo de que mulheres devem ser valorizadas pela aparência acima de tudo.

Embora haja um ou outro ponto justo nisso, há pouca coisa que se aproveite nessas tentativas de justificação. Quem acha que a responsabilidade do cuidado a anoréxicos, bulímicos e vigoréxicos está na mídia é culpado de futilidade. O problema das pessoas que se deixam influenciar tão profundamente por mídia popular é principalmente falta de repertório cultural, falta de desligar a TV e deslogar do Facebook. É de impressionar como hoje as pessoas ficam comentando assuntos superficiais, como Tilda Swinton ser escalada para interpretar um personagem que nos quadrinhos é um homem asiático velho e sábio (outro estereótipo), como se estivessem libertando Mandela da cadeia ou repetindo o feito heroico de Rosa Parks. Desculpem-me os ativistas (ingenuidade minha achar que está sobrando nuance para me desculparem por qualquer coisa, eu que já sou difamado com todo tipo de adjetivo), mas eles deveriam baixar a bola: estão apenas comentando assuntos que em última análise são apenas passatempos para a maioria das pessoas, em que elas se engajam por futilidade. Se isso é ativismo, é uma forma inferior de ativismo.

É estranho também dar o nome “objetificação” ao problema, quando é fato que nossos corpos são objetos e o tempo todo fazemos uso desse objeto: se você utiliza os serviços de um motorista do Uber, você está “objetificando” o corpo dele para se deslocar de um ponto ao outro. Mulheres não são crianças, se elas trabalham o próprio corpo ao ponto de alugá-lo para a publicidade (e por mais que seja irracional, funciona), estão “objetificando” a si mesmas, e todos os envolvidos estão ganhando alguma coisa: elas estão sendo pagas, as empresas estão fazendo sua publicidade. Nada que ativistas disserem vai reduzir a soberania de mulher bonita ou homem sarado nenhum sobre seus próprios corpos, e corpos são objetos. Negar a realidade alegando que não existe atratividade intrínseca em certos tipos de corpos mais que em outros só piora a mensagem e só faz com que pareçam mais loucos ainda. A mídia existe por causa da sociedade e por causa do que as pessoas são, há muito pouco que a mídia de fato pode fazer para mudar o que as pessoas já consideram atraente. No máximo, ondas ideológicas podem convencer um certo setor da população a se engajar em ilusão coletiva alegando que obesidade mórbida é tão atraente quanto a média dos corpos.

Muitos dos ativistas não estão vendo, mas já são os novos carolas. São os novos moralistas que, devido a seus tabus injustificados, mais e mais pessoas consideram divertido ofender (e é tão fácil ofendê-los!). Muita gente fã de telenovelas adora ver a personagem carola se dando mal: da Perpétua em “Tieta” ao inquisidor em “A Muralha”. Continuem assim, que logo a cultura vai usar o arquétipo do ativista irracional, ofendido por tudo, nas novelas, séries e filmes brasileiros (se é que já não usaram – eu lembro de rir em “Tropa de Elite” dos estudantes rococós pomposos falando de Foucault). Estereótipos não surgem do nada. Se ativistas estão sendo estereotipados assim, é porque mais e mais ativistas que se comportam assim são visíveis. E, como já sugerido em pesquisa empírica*, o estereótipo do ativista raivoso e irracional, que nem mesmo explica o porquê de tanta ira, serve para prejudicar as próprias causas que ativistas tentam defender. Tentam, mas falham frequentemente, tudo porque sucumbem ao pensamento de manada, e estão mais interessados em abusar da ferramenta de avaliação do Facebook do que em discutir adequadamente ou ensinar alguma coisa. O caso é que não se pode ensinar o que não se sabe. Tabu e ultraje moral estão correlacionados com ignorância, não com conhecimento.

_____
* Bashir, Nadia Y., et al. “The ironic impact of activists: Negative stereotypes reduce social change influence.” European Journal of Social Psychology 43.7 (2013): 614-626.