23rd of July

Resposta à cartilha obscurantista da Igreja Católica para a Jornada Mundial da Juventude


Entidades ligadas ao Vaticano distribuíram milhares de cópias de um “Manual de Bioética para Jovens” na ocasião da visita do Papa Francisco ao Brasil. Achei curioso o nome, dado que bioética é uma área séria de pesquisa filosófica, completamente secular. A seguir, comento alguns trechos do manual selecionados pela Folha de S. Paulo.

1. “Sejamos realistas: nascemos menino ou menina. A procriação necessita de pai e mãe. A criança precisa de pai e mãe para se desenvolver”.

A Universidade de Cambridge, Reino Unido, já divulgou estudo mostrando que não há qualquer diferença em competência sócio-psicológica entre crianças criadas por casais tradicionais e crianças criadas por casais do mesmo sexo. A realidade é esta, e a “realidade” do “realismo” da Igreja é uma invenção ideológica sem qualquer âncora em fatos. Fonte: http://www.cam.ac.uk/research/news/ive-got-two-dads-and-they-adopted-me

2. Um menino pelado olha para o próprio pênis e questiona: “Não sou homem? Eu? Então o que é isto?”.

Existem meninas que nascem com pênis. Isso é um fato reconhecido por publicações médicas recentes. Vamos falar um pouco da realidade do desenvolvimento embrionário. Até os dois primeiros meses de gestação, desenvolve-se a genitália. Mas só da metade da gestação adiante desenvolvem-se os circuitos cerebrais associados à identidade de gênero. O desenvolvimento da genitália de qualquer organismo com genoma humano, independentemente de haver cromossomo Y ou não, seguirá para o surgimento da vagina na ausência de hormônios masculinizantes.

Existem pessoas XY que se desenvolvem com insensibilidade a androgênios – são mulheres com vagina, em sua maioria heterossexuais. Isso fica difícil de conciliar com o dogma de que Deus criou primeiro o homem e depois modificou-o em mulher (como acreditava Tomás de Aquino, notório misógino que defendia que mulheres eram formas degeneradas de homem), quando nos detalhes genéticos do desenvolvimento embrionário são estruturas mais tipicamente femininas que servem como substrato para o desenvolvimento de estruturas mais tipicamente masculinas, quando hormônios e fatores de transcrição acionam cascatas bioquímicas de desenvolvimento.

Como existe uma independência temporal entre desenvolvimento do sexo biológico genital e desenvolvimento de estruturas associadas a diferentes gêneros no cérebro, é natural, possível, e sempre acontecerá numa minoria da humanidade que o sexo biológico se desenvolva de uma forma e o “sexo cerebral” se desenvolva de outra, de forma que a também importante contribuição do ambiente cultural atuará sobre cérebros já mais propensos a aceitar uma categoria ou outra. Casos de pessoas transgênero na pré-infância não são desconhecidos, inclusive em famílias cristãs, que só aumentam o sofrimento da família e de seus filhos transexuais ao tentar mudar a identidade de gênero que começou a se formar já no útero.

Fonte: Ai-Min Bao (Ministério da Saúde da China) & Dick F Swaab ( Instituto Holandês de Neurociência e ao Instituto da Real Academia Holandesa de Artes e Ciências). 2011. Sexual Differentiation of the Human Brain: Relation to Gender Identity, Sexual Orientation and Neuropsychiatric Disorders. Frontiers in Neuroendocrinology 32(2): 214–226.

A não-aceitação preconceituosa de pessoas transgênero (ou transexuais), diante dos fatos acima, é nada mais nada menos que um preconceito, pois, ainda que alguém acredite que seja doentio ou imoral ser trans (posição que carece de argumentos), não pode culpar trans por sê-lo e muito menos esperar que consigam mudar sua identidade sexual ou de gênero. A Igreja Católica Apostólica Romana é transfóbica em sua cartilha.

O mesmo pode ser dito quanto à orientação sexual e a condição de qualquer pessoa como heterossexual, bissexual ou homossexual. Quem apresenta a orientação sexual majoritária e aprovada pela Igreja precisa no mínimo examinar-se honestamente e estabelecer quando foi que escolheu se sentir atraído por um sexo/gênero diferente do seu. E a resposta honesta é que não escolheu, e portanto não tem qualquer elemento evidencial para alegar, como faz o pastor fundamentalista Silas Malafaia, que homossexuais escolhem ser homossexuais. Poucos meses atrás a Sociedade Brasileira de Genética desmentiu essas alegações do pastor em nota oficial ( http://sbg.org.br/2013/03/manifesto-da-sociedade-brasileira-de-genetica-sobre-bases-geneticas-da-orientacao-sexual/ ).

Felizmente, os católicos que são contra os direitos de adoção dos casais do mesmo sexo, ou contra seu casamento civil sob os auspícios de um país laico, já são minoria, como publicado pela Folha de S. Paulo. Isso atesta que a Santa Sé continua mais conservadora que seus próprios fiéis, por isso produz cartilhas como esta tentando trazê-los para posições ultrapassadas e que só aumentam o sofrimento no mundo.

3. “Recusar a adoção aos homossexuais não representaria homofobia? Não, porque a questão é outra. Ter um filho não é um direito! O filho não é um bem de consumo, que viria ao mundo em função das necessidades ou dos desejos dos pais. Embora o fato de alguém não poder ter filhos seja fonte de sofrimento, essa reivindicação dos lobbies homossexuais não é legítima”.”

Sim, recusar um direito dos casais do mesmo sexo é um preconceito, e o nome é homofobia. Sim, a Igreja está defendendo uma posição homofóbica, e trocar o nome do preconceito ou tentar se distanciar do nome que ele tem não apaga o fato de que o Vaticano, representando pela CNBB, mandou um advogado ao STF, no julgamento que reconheceu a união estável homoafetiva, para tentar barrar os direitos desses casais e impedi-los de serem reconhecidos como família. Tudo isso numa interferência explícita e inconveniente numa estrutura de poder secular que se declara como tal, laica, a qual a Igreja está usando neste momento para pagar com dinheiro público brasileiro por uma visita que de “diplomática” e “visita de chefe de Estado” não tem absolutamente nada. O nome que se dá a subverter a laicidade Constitucional do Brasil para proveito próprio, mantendo privilégios e falta de igualdade entre as crenças dos contribuintes brasileiros, é tráfico de influência, e os governantes que permitiram isso são igualmente culpados.

E sim, ter um filho é um direito, e não, como a Igreja acredita, um dever. Crença que ela faz questão de impor nos úteros de todas as mulheres brasileiras, que são impedidas de decidir sobre suas próprias gestações por causa de outros tráficos de influência religiosa mais antigos que criminalizaram o aborto. Isso porque a própria história da Igreja mostra um notável dissenso sobre a questão, com alguns teólogos permitindo o aborto até certa fase do desenvolvimento, e outros decidindo dogmaticamente e magicamente que a união dos gametas é a origem do indivíduo. O fato da Bíblia ter sido escrita num período histórico em que ninguém sabia o que era ovócito nem espermatozoide não impede o clero de se intrometer impertinentemente nos direitos civis brasileiros, de querer palestrar sobre assuntos que são da competência de médicos e profissionais das ciências biológicas e ciências humanas. E por falar em médicos, o Conselho Federal de Medicina já deu a correta opinião de que o aborto deve ser permitido até a décima-segunda semana (período seguro anterior ao desenvolvimento do cérebro, o mesmo órgão cuja morte dá o direito às famílias para desligar os aparelhos e doar os órgãos de um indivíduo), pela simples razão de que a criminalização ideologicamente patrocinada pela Igreja Católica é assassina e faz diversas vítimas anualmente neste país. Vítimas essas que só tiveram o azar de ter se desenvolvido com a identidade de gênero e sexo biológico femininos, que a Igreja rejeita de seu quadro eclesiástico e com os quais tem uma longa história de desprezo, apesar da simbologia de Maria.

Já está ficando para o passado os tempos em que a Igreja Católica percolava pela cultura e pelo poder brasileiros, infelizmente usando-os nem sempre de forma sábia. Os católicos são em sua maioria mais progressistas e respeitadores dos direitos de seus concidadãos que a instituição bilionária à qual se afiliam e com a qual frequentemente discordam, bastando usar o exemplo do uso da camisinha para atestar isso.

Por falar em camisinha, foi notório que a primeira desistência de papado em quase 600 anos aconteceu neste momento, e foi feita pelo mesmo ex-papa que passou por cima do conhecimento científico alegando que a camisinha pioraria a incidência da AIDS na África. Temos nesta cartilha aos jovens brasileiros mais um exemplo de palpite eclesiástico errado no território da ciência. Além de termos, é claro, justificativas as mais absurdas para sorver mais de 100 milhões do erário público para um líder religioso que não representa todas as crenças no Brasil.

O que me pergunto é onde foi parar a ideia de dar “a César o que é de César”. Temos diversos césares se escondendo com batinas.

___

Eli Vieira
biólogo geneticista,
ex-presidente da LiHS,
feliz em compartilhar um país com quem acredita em poder público laico em que todos são bem-vindos e ninguém é privilegiado.

19th of July

Por que a Igreja Católica não é uma força para o bem


2nd of July

Marco Feliciano reclama que é vítima da homofobia. Ele está, em parte, correto.


Marco Feliciano disse que se ele fosse gay estaria sendo vítima de homofobia, com as piadinhas sobre sua chapinha, sua postura, suas sobrancelhas feitas, etc. Estou aqui para defender que ele está, em parte, correto.
Antes de explicar minha posição, alguns esclarecimentos. Não há necessidade de uma pessoa ser gay para ser alvo de homofobia. Há casos emblemáticos disso, como o pai que teve orelha decepada por uma gangue por abraçar o filho, irmãos que foram assassinados por expressar amor fraterno em público, etc. (Favor lembrar que homofobia não se manifesta sempre de forma violenta. Homofobia se manifesta principalmente em pequenas posturas e discursos, e são esses que alimentam o extremismo violento.) A afirmação do Feliciano sobre a necessidade de ser gay para ser alvo da homofobia é só mais uma das amostras do tamanho de sua ignorância e inadequação ao cargo que ele ocupa, na comatosa Comissão de Direitos Humanos e Minorias, apenas por birra.
Por que Marco Feliciano está correto, ao menos em parte? Porque um alvo do ativismo LGBT é a discriminação baseada nos assim chamados “trejeitos”, que seriam supostamente uma indicação da homossexualidade em um homem. Se o Marco Feliciano apresenta alguns dos trejeitos supostamente diagnósticos para a homossexualidade, apontá-los com a intenção de depreciá-lo é, sim, homofobia. Mas na verdade é mais que isso. Intimamente ligado à homofobia está o preconceito de que homens devem se comportar de certa forma e mulheres devem se comportar de outra, ou seja, papéis culturais de gênero, reforçados como norma e usados como matéria-prima do machismo e da misoginia.*
Sim, eu sei que, se fosse verdade que Feliciano é gay, então apontar isso, de forma cômica ou não, seria útil para denunciar uma hipocrisia. Esta hipocrisia não seria coisa nova entre líderes evangélicos pregadores da homofobia (e Feliciano certamente é um deles, nós não esquecemos declarações como “a podridão dos sentimentos homoafetivos…”). Mas a única forma segura de saber se Feliciano é gay é se um dia ele disser que é. Se ele fosse pego num relacionamento com um homem, sequer saberíamos se ele é bissexual ou homossexual, ou, menos provavelmente, um heterossexual externando curiosidades homoafetivas que boa parte dos heterossexuais experimentam em torno da puberdade.
O detector psicológico de homossexualidades, chamado popularmente de “gaydar”, é bastante falho, e usá-lo como desculpa para tentar associar homossexualidade ao Marco Feliciano beira o ridículo. Quem disser que jamais ficou surpreso em saber que certa pessoa é gay ou lésbica estará mentindo, há sempre os casos difíceis ou impossíveis. Então, em vez de brincarmos de adivinhar quem é gay com bola de cristal, deveríamos condenar quem usa “trejeitos” supostamente indicativos de homossexualidade para tentar manchar a imagem de alguém, porque esses não são pejorativos e qualquer discurso que os apresente como tal não passa de preconceituoso.
* Alguns esclarecimentos sobre papéis de gênero e trejeitos: existe uma questão factual, que é se cada grupo humano, sejam lésbicas, gays, homens ou mulheres (trans ou cis), apresentam diferenças em média em algumas características comportamentais não associadas necessariamente à atração sexual ou à identidade de gênero. A resposta é provavelmente sim. Porém, grupos apresentarem diferenças em média não quer dizer que eles não compartilhem grandes interseções em sua variação. Na verdade, todos esses grupos partilham enormes interseções. Logo, não se pode usar sem risco uma média ignorando-se a dispersão da variação e as interseções da variação entre grupos. Tanto que uma das ferramentas estatísticas mais antigas para encontrar diferenças entre três ou mais grupos, o teste ANOVA, leva em conta primariamente a variância entre os grupos, e não simplesmente a média. Grupos com médias extremamente diferentes podem ser indistinguíveis na variação. Por isso, papéis de gênero e heteronormatividade, que usam em parte essas médias entre grupos de forma intuitiva não para dizer como as pessoas são, mas para tentar domá-las em como acham que elas deveriam ser, são coisas falhas não apenas em nível ético, mas também factual. Mais ainda por temperarem essas diferenças médias com invenções de estereótipos absurdas, como por exemplo de que o futebol é uma atividade intrinsecamente “masculina” e que mulheres que o jogam são “menos femininas”.
Por isso fiquem atentos a tentativas de uso de diferenças factuais entre humanos como suporte ao preconceito e à discriminação.