30th of March

Eli, sempre achei que a hipnose fosse algo aceito no meio científico, mas vendo Penn & Teller, me pareceu que não. Qual sua opinião sobre isso?


Se hipnose for eficaz, deve ao menos diminuir dor, certo? Então vamos ao resumo de uma revisão científica: http://pra.la/04Jk

“Hipnose para alívio da dor no trabalho de parto: uma revisão sistemática.” BRITISH JOURNAL OF ANAESTHESIA Volume: 93 Issue: 4 Pages: 505-511 Published: OCT 2004
A. M. Cyna[1], G. L. McAuliffe[2] e M. I. Andrew[1]

1Department of Women’s Anaesthesia, Women’s and Children’s Hospital, Adelaide, South Australia 5006, Australia. 2Department of Anaesthesia, Lyell McEwin Hospital, Adelaide, South Australia, Australia

“Background. Tendo em vista as comuns alegações de eficácia, examinamos as evidências sobre os efeitos da hipnose para alívio da dor durante o trabalho de parto.

Métodos: Procurou-se nos bancos de dados Medline, Embase, Pubmed e Cochrane por testes clínicos nos quais a hipnose durante a gravidez e o parto foi comparada com a intervenção não-hipnótica, com nenhum tratamento ou com placebo. Listas de referência dos artigos e textos de hipnoterapia também foram examinados. Não houve restrições de língua. Nossas medidas de efeito foram primariamente requisitos de analgesia no parto (sem analgesia, opiáceos ou uso de epidural), e escores de dor durante o parto. Estudos comparativos adequados foram incluídos em avaliação adicional de acordo com critérios pré-definidos. Foram feitas meta-análises sobre os testes randomizados com duplo-cego (TRC’s), avaliados como ‘bons’ ou ‘adequados’ de acordo com um escore pré-definido.

Resultados. Cinco TRC’s e 14 comparações não-randomizadas (CNR’s) estudando 8395 mulheres foram identificadas nas quais a hipnose foi usada como analgésico durante o trabalho de parto. Quatro TRC’s incluindo 224 pacientes examinaram os efeitos primários de interesse. Um TRC foi avaliado como de baixa qualidade. Meta-análises dos três TRC’s que restaram mostraram que, comparadas com grupos-controle, menos parturientes requisitaram analgesia, com risco relativo = 0,51 (IC 95% 0,28; 0,95). Dos dois CNR’s incluídos, um mostrou que mulheres usando hipnose classificaram sua dor do parto como menos severa em relação aos controles (P < 0,01). O outro mostrou que a hipnose reduzia (P < 0,001) requisições de opióide (meperidina), e aumentava a incidência de nenhum pedido de analgésicos farmacológicos no trabalho de parto (P < 0,001).

Conclusão. O perfil de risco/benefício da hipnose demonstra uma necessidade de testes bem desenhados para confirmar os efeitos da hipnose no trabalho de parto.” (Tradução minha.)

Vamos a outro resumo de outra revisão: http://pra.la/04Jl

“Hipnoterapia para parar de fumar.”
Cochrane Database Syst Rev. 2000;(2):CD001008.

Abbot NC, Stead LF, White AR, Barnes J, Ernst E.

Dept of Epidemiology and Public Health, University of Leicester, 216 Goscote House, Sparkenhoe St, Leicester, UK, LE2 0TL.

“Background: A hipnoterapia é promovida largamente como um método que auxiliaria a interrupção do fumo. Propõe-se que ela age nos impulsos subjacentes para enfraquecer o desejo de fumar ou fortalecer a vontade de parar.

[Vamos pular para os resultados logo.]

Resultados principais: Nove estudos compararam a hipnoterapia com 14 intervenções-controle diferentes. Houve uma heterogeneidade significativa entre os resultados de estudos individuais, com resultados conflitantes para a eficácia da hipnoterapia comparada a nenhum tratamento ou ao aconselhamento. Nós portanto não tentamos calcular razões de chances agrupadas para o efeito geral da hipnoterapia. Não houve evidência de efeito da hipnoterapia comparada a “rapid smoking” ou tratamento psicológico.

Conclusões dos revisores: Não mostramos que a hipnoterapia tem um efeito maior em tempos de seis meses em relação a outras intervenções ou nenhum tratamento. Os efeitos da hipnoterapia no abandono do fumo alegados por estudos sem controle não foram confirmados pela análise de testes randomizados.”

Minhas conclusões: se a revisão com dor do parto mostra alguma coisa positiva mas pede mais estudos, e a revisão com abandono do fumo não achou efeito da hipnoterapia, você deve simplesmente DUVIDAR. 🙂

25th of March

Are religious scientists being scientific in their beliefs?


My astronomer friend Wladimir Lyra summoned me into a facebook debate in which Alexandre Correia, a friend of his that is a professor at the Universidade de Aveiro, Portugal, said:

“God is the definition for “Intelligent Universe”. We were created by the Universe and we believe that we are intelligent, so, as an integrating part of the Universe, we have to admit that the Universe is also intelligent… So the question that remains is rather “Did the Universe want to create us, or was it just an accident?”, which can be replaced by the question “Did we want to create ourselves?”. This is too confuse…”

Fancy stuff. Correia added this after some humorous responses of others:

“Love and other feelings are also entities created in some human brains, so, are they more real than God? I am not trying to prove that God exists or not, but as a scientist I must keep my mind open. The disbelief in God is as dogmatic as its acceptance…”

Correia also pointed to a page dedicated to the Division of Perceptual Studies, School of Medicine, University of Virginia, a research group that seems to be dedicated to parapsychology. This is my answer after Lyra’s invitation:

I’m duly summoned. I don’t know why would Alexandre bring about a research group on “weird” phenomena, or why would we be astonished that they publish in journals with nonnegligible impact factors. Things like extant research groups or impact factors are poor substitutes for objective analyses of state-of-the-art evidence. Since Karl Popper and Imre Lakatos there is an increasing perception in philosophy of science that our theories evolve and our ability to judge how scientific they are must deal with this ever ongoing process. I cannot judge cosmology by taking one of Wlad’s articles nor could anyone judge evolutionary biology by taking one of Svante Paabo’s papers and reading it. 

So, if we can agree that parapsychology research groups have nothing to do with the evidence for the existence of a god or more gods, let’s move on. [I must add here that, for those who still think parapsychology is a serious science, former parapsychologist Louie Savva does not agree, and he is not the first parapsychologist to recant his own research field, as Susan Blackmore is prepared to tell you.]

Well, there is serious research on how religious myths arise. I suggest as a starting point for study the works of Justin Barrett, Pascal Boyer and Scott Atran. Boyer has summarized much in his “Religion Explained”. Grosso modo, religious concepts are made when violations are credited to entities that belong to basic ontological categories of the human mind. ‘ANIMAL’ is an ontological category, another one is ‘PERSON’. These ontological categories work for us as a kind of catalyst for understanding. When you show a seal for a child on the TV, the child pretty much already makes assumptions about the seal – these assumptions (such as that the seal dies if split, gives birth to live pups, etc.) are inferences made from the ontological category, and must not be uttered explicitly for the child to know them.

Barrett and Boyer found out that myths are united by one single ‘algorithm’ (so to speak): introducing one violation on the expected properties of an entity, that is surprising according to the entity’s ontological category. So the Aymara of the Andes believe in a mountain that feels hungry if not fed by them. The mountain belongs to the category of ‘NATURAL OBJECT’, and hunger is not one of the basic properties of a natural object. A god belongs to the category of ‘PERSON’, but has no body, has no birth nor death, and has counterontological mind properties such as omniscience.

Barrett’s research shows that, regardless of your cultural cradle, regardless of you being an Atheist or devout Christian, stories that contain this kind of myth (built as described) will glue on your memory easier. This is a clue of one of the reasons why religion persists. But also, if their theory is correct, shows that, when the ontological category of ‘PERSON’ evolved in our minds because of selection pressures favoring social interaction, it served as a raw material for myth construction. The PERSON category must have evolved so that we could predict the behavior of our fellow human beings. It contains cognitive tools such as the theory of mind and empathy.

Long story short, let’s review what kind of thing we’re dealing with when we try to consider scientifically a concept such as ‘God’. First, we must remember that the correct null hypothesis is that there is no God, so if we cannot provide any evidence of any God, we should be atheists as a default position. That is true for any scientific claim. Second, we must unveil what kind of hidden inferences are made when people talk about gods, and those include the assumption that so-called ‘God’ has a mind like our own, has cognitive abilities for creation like us, feels like we do. All those things have evolved in our lineage. Evolutionary genetics is on the verge of discovering how that happened – the studies with the gene FOXP2 were a great debut: first we discover this gene is different in humans and neanderthals [and causes speech impairment in some mutations], second we put its human form in mice and discover that these mice develop more connections between their neurons in some parts of the brain, and this accounts for cognitive phenotype. We are in an era that is indeed going from molecules to minds, with the care that this investigation demands.

So, in light of recent research we have no reason to accept any minds that do not come from molecules, such as the minds of gods. This is a reasonable metaphysical conclusion supported by evidence. On the other hand, people who love you touch you, pay attention, observe, help and usually give you as much evidence of their love as you would need to believe them.

Scientists that still consider the God hypothesis as probable are just being victims of our universal lust for ‘counterontological’ concepts like those described by Pascal Boyer and Justin Barrett. In other words, they are not thinking scientifically, their claims of pro-God probability are freudian rationalizations for the natural appeal of myths that easily glue not only on our memories, but on our emotional and cultural wishes as westerners.

24th of March

O aniversário e a supernova


660px-Supernova-1987aGosto de pensar no aniversário como mais uma volta completa em torno do Sol com a espaçonave Terra, tendo início no momento em que deixei o berço biológico formado pela junção entre o corpo da minha mãe e o meu: placenta e cordão umbilical. Acho que estar ciente disso faz a data do aniversário da gente um evento bem mais inspirador do que meramente colocar mais um número nos registros. Estrelas se sacrificaram para tudo isso estar aqui. Um lento processo de consolidação de uma nuvem de gás criou o sol, os elementos mais pesados ao redor, nascidos em supernovas diversas, prestaram tributo gravitacional a esta estrela comum formando os planetas. Globos maiores de matéria como a Terra foram bombardeados durante milhões de anos, tendo um dos maiores choques criado a Lua. O tempo cura tudo, até bombardeios de asteroides. Estando devidamente curada pelo tempo e pela gravidade, a Terra passou a se resfriar com sua atmosfera eletronicamente redutora. Este ambiente criou os blocos de moléculas orgânicas, que em processos de seleção e outros processos complexos que mal compreendemos geraram a vida. Bilhões de anos de vida se passam, com formas belas inteiras vivendo por centenas de milhões de anos. Quantas histórias os inúmeros organismos das inúmeras espécies de ictiossauros e pterossauros viveram, para nunca mais serem contadas? Pouco depois de sua estreia, a vida começa a mudar a atmosfera, tornando-a oxidante e criando um escudo de ozônio. Açoites do clima e da geologia desafiam a vida, moldando-a como um escultor molda um bloco de mármore. Somente grande violência pode criar grande beleza, neste contexto. Mas eis que a vida também descobre que o carinho é agente transformador, tão poderoso quanto a violência ou ainda mais. Eventualmente, centenas de milhares de anos atrás, surge uma espécie capaz de observar a natureza como um imenso livro que o tempo rasgou e espalhou sua história em pedacinhos por todos os lados. Séculos de evolução cultural juntando esses pedacinhos levam a teorias que pudessem explicar e prever o funcionamento do mundo que nos deu à luz. Exatamente um mês antes de eu nascer, em 23 de fevereiro de 1987, atinge a Terra a luz de uma supernova que viajou 51,4 quiloparsecs até aqui (http://en.wikipedia.org/wiki/SN_1987A). Esta observação da morte de uma estrela mostra-se salutar para a descoberta de que cada um dos átomos que compõem nossos corpos, com exceção do hidrogênio, foram fabricados em fusões nucleares nos cálidos corações das estrelas. A supernova SN 1987A podia ser vista a olho nu no céu do hemisfério sul. Um mês depois, neste hemisfério, eu nasci. E lá se vão 24 voltas em torno do Sol desde então. É bom estar aqui.

2nd of March

Sou a favor da pena de morte porque sou sádico e gosto de ver bandido morrendo. Não me importa se ele teve a infância sofrida. Não ligo. Quero só que ele morra.


Se você quer ser lembrado como a pessoa que tinha prazer em ver gente sofrendo, e tinha uma mentalidade de justiça datada em quase 3800 anos que mais parece a justiça praticada por babuínos ensandecidos, o problema é todo seu e da memória de si que quer plantar neste mundo.

Felizmente a Constituição deste país apoia os meus valores neste assunto, e não os seus. Portanto, boa sorte tentando mudar a Constituição.

Mas eu sei que você não vai tentar. Porque é fácil ser um sádico confiante no seu cantinho e ao mesmo tempo um covarde na esfera pública.

Um aceno,
Eli. Pergunte-me qualquer coisa.