1st of October

Cal Newport: “Siga os seus sonhos” é péssimo conselho de carreira


Estamos numa era sentimentalista em que a paixão é vista como um dos principais pré-requisitos para o trabalho bem feito. Também estamos numa era de distrações sem rédeas, busca de atalhos para tudo e uma romantização do sucesso. O cientista da computação e escritor Cal Newport vai contra tudo isso, com razão.

Em seu livro “So Good They Can’t Ignore You” (“Seja tão bom que não possam te ignorar”, em tradução livre), Newport relata sua própria busca por uma carreira satisfatória, ou, mais precisamente, por formas de fazer satisfatória uma carreira que ele já tinha. No processo, ele explica por que outros projetos que ele perseguiu não deram certo. Mas a linha condutora principal do livro são exemplos de pessoas que obtiveram carreiras de sucesso pelas quais realmente se apaixonaram, que Newport usa como fonte de dados para apoiar um conjunto de regras heurísticas para encontrar um trabalho que você ama fazer.

A primeira dessas regras, que é a principal, é Não Siga Sua Paixão (ou, alternativamente, Não Siga Seus Sonhos). O conselho contrário, dado por celebridades como Steve Jobs, ignora que ter sonhos claros (ou paixões pré-existentes) é algo muito raro. Também ignora que pessoas sem experiência romantizam os empregos que alegam ser o seu sonho, ignorando suas partes difíceis. O que realmente acontece, inclusive no caso do próprio Steve Jobs, é que as pessoas desenvolvem paixão por seu trabalho após adquirirem competências específicas relacionadas a ele, e a escolha inicial é com frequência um acidente entre várias tentativas, não um resultado de uma paixão pré-existente. Evidentemente, não é todo tipo de trabalho que passará a ser uma paixão. É necessário que o trabalhador veja o próprio trabalho como algo de valor, que está acrescentando algo valioso ao mundo. Mas, novamente, essa reflexão vem com a experiência que os novatos não têm. Portanto, não é que a paixão é um pré-requisito do bom trabalho: é uma consequência. O bom trabalho não vem de sonhos: ele se torna eventualmente um sonho realizado.

O erro do conselho “siga seus sonhos” é similar ao que eu encontro em alguns liberais que propõem reformar o sistema de ensino para permitir uma máxima liberdade dos estudantes de escolherem aprender somente as coisas pelas quais têm interesse. O erro está em presumir que interesses genuínos são só os pré-existentes, quando é possível interessar-se por uma área e desenvolver mais curiosidade por ela somente após um contato com exemplares rigorosos dela. O modelo atual de ensino médio voltado ao vestibular certamente exagera a quantidade de conhecimentos obrigatórios, e esses liberais estão certos em fazer essa crítica. Um modelo melhor deve estar num caminho do meio: por exemplo, oferecer introduções curtas a todos os alunos e só depois deixar que abandonem algumas áreas a favor de outras. Créditos obrigatórios, conteúdos facultativos.

Regra 2: Seja Tão Bom que Não Poderão te Ignorar. Conheço muitas pessoas que obtêm diplomas e passam a esperar recompensa do mercado por isso. Essa espera de recompensa pelo esforço de formação acadêmica pode ser um grande fardo sobre a saúde mental, de ansiedade, estresse e até depressão. Esse sofrimento é desnecessário e há uma terapia cognitiva para ele: compreender a soberania da lei da oferta e demanda. Não importa a sua área, o seu diploma não é uma joia rara, há centenas de milhares de pessoas com a sua formação. O mercado não vai pagar (bem) por um produto que é abundante. Para ser bem pago, você deve desenvolver competências raras, que levam tempo para desenvolver. Para detectar a oportunidade no “possível adjacente”, como diz a literatura de autoajuda de carreira, você precisa estar no topo das habilidades na área. Não passe seu tempo simplesmente esperando: aproveite-o para lapidar-se com gana e persistência. Procure aprender as partes da sua área em que você menos se sente confiante. Diversifique suas habilidades e faça pequenas apostas em que tempo considerável foi investido. Obtenha um patrimônio de competências.

Regra 3: A Importância de Ter Controle. Será difícil desenvolver paixão pelo seu trabalho se você nunca se sente como alguém que tomou as rédeas do que você faz. No entanto, a cautela aqui é salutar. Só é possível barganhar por mais controle, mudando de área por exemplo, se você realmente trabalhou em obter o seu patrimônio de competências raras dessa nova área. Tentar obter controle sem esse patrimônio é dar um salto no escuro, e você poderá se machucar. Outra dificuldade é que, uma vez que você obteve o patrimônio de competências e conhecimentos, você encontrará alguma resistência da cadeia de comando. Há realmente um lado nefasto no mercado de trabalho que busca cortar as asas de quem já está pronto para voar. Aqui, coragem é uma das virtudes mais necessárias. Poderá  haver situações em que você precisará recusar uma promoção, por exemplo, em nome de não ceder mais do seu controle sobre a sua carreira.

Regra 4: A Importância de Ter Uma Missão. Sentir-se executando uma missão importante ao trabalhar é o que diferencia os profissionais experientes cínicos dos que se mantêm motivados e otimistas. Aqui, novamente, trabalhar bem vem antes. Você estará disposto a fazer sacrifícios, se cansar e aplicar centenas de horas numa missão genuína. Qualquer coisa diferente disso volta ao erro de “seguir seus sonhos”.

Há algo de artificial na separação das quatro regras de Newport. Não concordo com a separação da regra 4 da regra 1, por exemplo. Há detalhes importantes que as ajudam a fazer sentido omitidos aqui para manter essa resenha curta, no entanto. Talvez a maior dificuldade de aplicar alguns dos conselhos do livro é que eles foram formulados para uma realidade de muito mais liberdade econômica e riqueza já produzida do que é o caso no Brasil. Mas não nos deixemos desmotivar por isso, nem usar as insuficiências brasileiras como desculpa. O livro vale a pena e poderá te inspirar a abandonar as soluções fáceis e reformar a sua rotina para que você se torne um profissional satisfeito.

26th of September

De onde vem o autoengano?


Psicanalistas propunham que o autoengano é uma forma de o “ego” proteger a si mesmo. Pois, sendo doloroso reconhecer que se está enganado em alguma crença, o tal “ego” usaria um arsenal de defesas psicológicas (negação, racionalização etc.) para se proteger da dor psicológica de estar errado.

O problema dessa explicação é que ela é só um exercício de classificação — sistematização que somente aponta algumas coisas e bota nelas um nome. Não é uma investigação das origens desse tipo de comportamento. Entender as origens é importante, afinal, o autoengano pode até botar nossa vida em risco, quando diante de doenças e comportamento de risco mentimos para nós mesmos que estamos saudáveis (a maioria das pessoas superestima a própria saúde e aptidão física). Isso gera um enigma para as nossas origens, que estão na evolução biológica. A seleção natural em tese não deveria nos dotar de formas de diminuir ativamente nossas chances de sobrevivência e reprodução.

Mas há um fato sobre nossas origens que ajuda a explicar o autoengano: nossa espécie surgiu não apenas sobrevivendo a intempéries ambientais, mas também sobrevivendo a disputas sociais, nas quais um indivíduo enganar a si mesmo pode ser uma boa estratégia a depender do contexto social. É importante lembrar que estamos falando aqui de crenças que nós realmente temos sobre nós mesmos, com sinceridade, não mentiras. A mentira é muito mais difícil, pois o mentiroso precisa se lembrar de todo o cenário que precisou inventar e manter a aparência de que acredita na falsidade que está emitindo. Mentir é cansativo! O autoengano, que é energeticamente mais barato, volta a falsidade para dentro porque ela nos beneficia no ambiente social. Usando a máscara com sinceridade, nesse contexto nossas chances de sobreviver e reproduzir aumentam. Assim, pensar no autoengano num contexto evolutivo o explica de forma melhor do que a psicanálise jamais sonharia em fazer.

Para fins didáticos e tendo em mente essas explicações, podemos classificar o autoengano nas seguintes estratégias:

– Se fazer de maluco. Uma pessoa perfeitamente racional pararia uma disputa de poder ou luta de acordo com suas reais chances de vencer. Mas um bom lutador de boxe continua alegando que é o mais forte até perder a consciência na lona. Ao sinalizar que acredita em si até as últimas consequências, o blefe sincero de quem se faz de maluco pode dissuadir seu competidor de tentar fazer o mesmo. É, em outras palavras, uma boa estratégia no jogo. O maluco está disposto a fazer qualquer coisa para vencer, mesmo se isso significa um alto custo para si. No jogo do “frango”, em que dois motoristas avançam na contramão um do outro até que o perdedor desvie a direção por medo, ganha o maluco que arrancar o volante e o jogar pela janela.

– O cão leal. É a pessoa que realmente acredita nas coisas mais malucas não porque avaliou evidências ou argumentos, mas porque (e ela própria não sabe disso) acreditar sem verificar é uma sinalização de lealdade a uma tribo. Qualquer semelhança com quem insiste que Lula não sabia de nada, que a delação dos empreiteiros está toda errada, que pedalinhos com os nomes dos netos no sítio em Atibaia são só sinal de hospitalidade do real dono do sítio, etc., não é mera coincidência. Exemplos em outras tribos políticas são facílimos de encontrar.

– O propagandista. “Eu sei que isso é verdade”, diz esse. “Acredite comigo!” Esse tipo de autoengano é bem comum em quem vem às redes sociais não porque quer discutir ou apresentar um ponto de vista de forma clara, mas porque quer demonstrar *CONVICÇÃO* de alguma coisa. “Nossa”, pensam os que acreditam no autoengano do propagandista, “se ele fala com esse nível de confiança, deve saber do que está falando”. Malafaia é muito bom nisso, e eu acredito que ele muitas vezes é sincero. Quando respondi à sua alegação de que genética nada tem a ver com homossexualidade, cinco anos atrás, ele fez uma tréplica cheia de confiança, desfilando falácias de ataque pessoal contra mim. Eu, o biólogo acostumado com as incertezas e com seguir o que as evidências permitem que eu afirme, não podia demonstrar o mesmo nível de autoconfiança que Malafaia. E por isso mesmo não fui tão convincente para alguns quanto ele poderia ser: porque ele realmente acredita que está certo, e fala com convicção.

– O trapaceiro. “Respeito a sua opinião”, diz com convicção alguém que pensa que a tal opinião é falsa ou até imoral. A pessoa realmente acredita que RESPEITA algo que pensa que é errado. O que significa isso, afinal? Logicamente não faz muito sentido. Significa que a pessoa está tentando enganar a si mesma que seus motivos são todos puros, e que se ela discorda (e geralmente não quer fazer trabalho nenhum para mostrar que a certa é ela), ao menos ela “respeita” a opinião abjeta que se recusa a avaliar. Está sendo preguiçosa, tentando trapacear as regras de honestidade e diligência intelectual, mas todas as suas motivações são supostamente cândidas.

***

Com ideias do livro “The Elephant in the Brain: Hidden Motives in Everyday Life”, de Kevin Simler e Robin Hanson

20th of September

Rachel Dolezal: resultado de abuso infantil, pós-modernismo e redes sociais


Assisti ao documentário “O Caso Rachel Dolezal”, disponível na Netflix. Reconta a história da americana branca que atraiu a ira da maioria dos ativistas raciais americanos, e também de seus críticos, ao dizer que é negra. Por todo o ano de 2016 Dolezal foi alvo de escárnio público, além de alguns comentários anônimos ameaçadores nas redes sociais. Nos Estados Unidos, em que grande parte do ativismo aceitou o antigo critério racista de “uma única gota de sangue” na ancestralidade como suficiente para uma identidade negra, como se a condição de ser negro fosse uma contaminação hereditária em vez de uma origem participante na miscigenação, não seria de se surpreender que Dolezal fosse aceita por muito tempo como negra. Outros americanos que se dizem negros são tão brancos quanto Dolezal. O ativista Shaun King é um deles.

Shaun King, ativista antirracismo que se diz negro.

A polícia e a imprensa local acusaram Dolezal de forjar crimes de ódio contra si mesma ao presidir uma seção local da NAACP, Associação Nacional para o Progresso das Pessoas de Cor [sic], uma das mais importantes organizações do ativismo racial nos Estados Unidos. Alguns colegas de Dolezal na associação estranhavam que ela recebesse tanta correspondência de ódio que não era tão intensa para os presidentes anteriores com tonalidade de pele mais escura.

Até aqui, parece que há mesmo motivo de sobra para detestar Rachel Dolezal. Como mostra o documentário, ela tentou, com bastante coragem e diligência, restaurar a sua reputação e se fazer entendida. Falhou repetidamente: toda vez que aparecia na imprensa, só aumentava a quantidade de comentários negativos contra ela. Lançou um livro, mas o livro vendeu menos de 600 cópias no lançamento. Dolezal, mãe solteira de três filhos, estava tendo dificuldades de pagar o aluguel. Até que veio o documentário, e, dessa vez, ela conseguiu: o documentário tem sucesso em mostrá-la como um ser humano na maior parte benigno e bem intencionado, embora a veracidade dos “crimes de ódio” contra ela anteriores à revelação de suas origens continue em aberto.

Dolezal cresceu numa família chefiada por um casal de fundamentalistas religiosos que usavam a vara na educação dos filhos como manda a Bíblia. O casal sempre deixou claro para Rachel, filha biológica mais nova, que ela quase matou a mãe no parto. No registro de nascimento, consta Jesus Cristo como parteiro. Pelos depoimentos de Rachel e também sua irmã adotiva negra, ela sempre foi tratada como inferior ao irmão mais velho. A irmã de Rachel mostra marcas persistentes de açoites dados pelos pais adotivos. Estranhamente, o “filho” mais velho de Rachel era um de seus irmãos adotivos negros. Para piorar a situação, as duas irmãs acusam o irmão mais velho de abuso sexual, e antes do escândalo estava tramitando uma ação judicial contra ele por isso, o que pode ter motivado os pais a vir à imprensa para expor a filha ativista como falsa negra e testemunha não confiável no caso. Quando contempla a possibilidade de voltar a se declarar branca, Rachel chora, dizendo que isso seria voltar a ser alvo da punição de seus pais.

Rachel Dolezal é, portanto, uma pessoa com problemas de identidade resultantes de abuso infantil. Mas, evidentemente, não seria assim se raça não fosse tratada como um ponto tão saliente da identidade nos Estados Unidos, cultura que a cerca. Também provavelmente não seria assim se ela tivesse conhecimentos mais objetivos sobre raça. Em vez disso, ao buscar saber mais, o que ela encontrou foi pós-modernismo: raça é uma construção social, dizem os abundantes livros sobre o tema. Se é assim, por que não poderia ser simplesmente adotada, mudada como uma peça de roupa? É adágio do pós-modernismo, movimento intelectual difuso da esquerda acadêmica, declarar todo tipo de coisa construção social. A mania é tamanha que já foi documentada em livro por Ian Hacking e, no caso da raça, é repetida até por geneticistas que deveriam saber melhor. Ao estudar a estrutura genética da humanidade, os geneticistas decidiram abandonar o termo “raça”, para se afastarem da história eugenista da própria genética. No entanto, são distinguíveis cinco ou seis grandes “estruturas” da população humana, de distintas origens geográficas, que num mundo menos politicamente correto ou traumatizado pelo racismo poderiam sem problemas ser chamadas de raças, como já são seus correlatos no senso comum. Mas não param no construcionismo social as marcas de confusão pós-moderna na cabeça de Rachel Dolezal. Ela também usa o relativismo epistemológico e abusa de subjetivismo: se sinto que sou negra, sou negra, não importa que o grupo seja definido por um fenótipo que eu não tenho, e que o nome do grupo seja o nome de uma cor que não está na minha pele. Negações da realidade como essa têm amplo apoio na intelectualidade relativista e subjetivista do mundo acadêmico — ou teria, se fossem coerentes com essas ideias. Não são coerentes, pois essas ideias são um verniz de destacamento e tudo-vale em cabeças que na verdade se comportam com muito engajamento político e absolutismo moral cheio de certezas inabaláveis. Daí inventarão complicações para negar a identidade negra escolhida de Dolezal, ou praticarão seu costumeiro autoritarismo censor, como fizeram com Rebecca Tuvel, uma acadêmica que tentou ser coerente analisando o caso com essas ideias.

Também não é possível ignorar, no caso de Dolezal, o fenômeno das redes sociais. Ela diz que as redes sociais são a última forma de continuar “no mundo” após ser ostracizada, mas isso obviamente não é verdade. Insistir na identidade controversa não deixa de ser uma forma de narcisismo, bem compatível com o show de egos das redes sociais, um ambiente tóxico para a saúde psicológica de qualquer um.

Mas não é preciso complicar. Num mundo mais racional, raça é uma coisa simples: um conjunto de fenótipos correlacionados e ligados a certas origens geográficas de distintos grupos humanos, sem fronteiras muito definidas, especialmente em caso de miscigenação. Não é uma “cultura”, embora algumas variantes culturais também possam estar correlacionadas a variantes raciais.

O caso Dolezal e tantos outros mostram uma linha imatura de pensamento do ativismo racialista em que, na esperança de eliminar o viés antinegros em todas as suas facetas, busca-se adotar marcas de fenótipo negro (incorretamente chamadas de “cultura”) como honoríficas. Se Dolezal se diz negra por adotar uma suposta “cultura” negra, por que precisa do acessório do cabelo de textura mais típica do fenótipo negro? Isso não é cultura, é biologia. Nesse ativismo imaturo, pensa-se que o remédio contra um viés antinegros é um viés pró-negros excessivo, que termina por tratar negros com condescendência infantilizante e que alimenta a identidade de coalizão racial, o que por tabela mantém vivo o racismo. Para diminuir o racismo ao mínimo possível, é necessário jogá-lo fora junto com esse tipo de ativismo e esse tipo de coalizão. As verdadeiras ferramentas antirracismo estão no estímulo a outros tipos de identidade social que não a raça: time de futebol, religião, partido político, associação de moradores, etc. O problema é que essa solução respaldada pela ciência não tem o mesmo sucesso em dar carreiras para ativistas, e ativistas profissionais naturalmente não gostarão de soluções que tornam as suas carreiras obsoletas.

Se depender da obsessão com a raça tanto de racistas quanto de antirracistas, Dolezal continuará sofrendo em sua confusão identitária.

P. S.: Por que o foco em raça mantém vivo o racismo?

“Estudos anteriores estabeleceram que as pessoas codificam a raça de cada indivíduo que encontram, e o fazem através de processos computacionais que parecem ser tanto automáticos quanto obrigatórios. Se verdadeira, essa conclusão seria importante, porque a categorização dos outros por sua raça é uma pré-condição de tratá-los diferentemente de acordo com a raça. Aqui, relatamos experimentos que, usando medidas discretas, mostram que a categorização de indivíduos pela raça não é inevitável, e apoiam uma hipótese alternativa: que a codificação pela raça é na verdade um produto reversível de um maquinário cognitivo que evoluiu para detectar alianças de coalizão.

Os resultados mostram que os indivíduos codificam afiliações de coalizão como uma parte normal da representação de pessoas. De forma mais importante, quando pistas de afiliação a coalizões não seguem nem correspondem mais à raça, os indivíduos reduzem marcadamente a medida da categorização dos outros peça raça, e de fato podem parar totalmente essa categorização.

Apesar de passar a vida inteira usando raça como um preditor de alianças sociais, menos de quatro minutos de exposição a um mundo social alternativo foram suficientes para diminuir a tendência a categorizar pela raça.

Esses resultados sugerem que o racismo pode ser um constructo volátil e erradicável que persiste apenas se for ativamente mantido através da associação a sistemas paralelos de aliança social.”

Este é o resumo do artigo de 2001, publicado na PNAS, de Robert Kurzban, John Tooby e Leda Cosmides (ênfases minhas). Os resultados do artigo foram replicados com sucesso em 2014 por Wouter Voorspoels e colaboradores.

O estudo sugere que a política identitária racialista, que é o tratamento da raça como um fator saliente de identificação social, é diretamente responsável pela manutenção e perpetuação do racismo, não importa quão boas sejam as intenções.

A maioria dos ativistas anti-racismo está enganada. Como dizia o próprio Milton Santos muito antes desse estudo ser publicado, insistir em uma identidade “afrobrasileira” em vez de apenas brasileira não é algo que ajuda a combater o racismo realmente. Sem falar no governo categorizando as pessoas pela raça e as tratando difereciadamente com base nisso…

E mais: o desdém dos intelectuais pelas atividades de coalizão populares que nada têm a ver com raça está, desse ponto de vista, completamente errado também. Quanto mais as pessoas se identificarem como torcedoras de times de futebol, membros da associação de bairro e até igrejas, membros de algum clube besta pra se sentirem importantes, melhor. Isso do ponto de vista de combater o racismo, que não parece ter bases biológicas diretas. As bases indiretas são um tribalismo genérico que pode ser aplicado a qualquer coisa.

5th of September

O que é preconceito, afinal? Discutindo o preconceito com calma e contra a irracionalidade ativista dos nossos tempos


Em tempos em que as pessoas usam a sua postura contra o preconceito como o pavão usa o rabo dele, faz-se necessário pensar com alguma precisão o que é preconceito afinal. Assim poderemos ter esperança de distinguir a preocupação genuína com justiça do mero adorno.

Essas são as definições do dicionário Priberam, mantido por portugueses e meu favorito na nossa língua (eles inventaram essa joça, então devem saber do que estão falando):

pre·con·cei·to
(pre- + conceito)
substantivo masculino
1. Ideia ou conceito formado antecipadamente e sem fundamento sério ou imparcial.
2. Opinião desfavorável que não é baseada em dados objectivos. = INTOLERÂNCIA
3. Estado de abusão, de cegueira moral.
4. Superstição.

O dicionário serve para capturar o significado dado pelo uso das palavras, e isso é importante: é o uso que faz o significado. O sentido das palavras que usamos depende literalmente de um concurso de popularidade de sentidos nos contextos sociais em que as usamos. Mas, como as palavras denotam coisas que estão no mundo, e o preconceito é uma delas, raramente os significados propostos pelo dicionário são satisfatórios.

O dicionário é útil aqui, em primeiro lugar, para afastar o jeito mais preguiçoso de definir preconceito: o uso literal da etimologia. Não, o preconceito que nos interessa aqui, que é o tipo social, acompanhado em versões mais danosas da discriminação injusta, não é simplesmente “pré-conceito”, como a etimologia parece sugerir. Se fosse só isso, significaria que todas as crianças são ativamente preconceituosas, quando são só ignorantes, com uma ignorância geralmente benigna: só têm noções superficiais das coisas (pré-conceitos) até aprenderem conceitos sobre elas. A etimologia é via de regra um guia impreciso para o sentido das palavras: ao menos na matemática, “cálculo” não é uma pedrinha (sentido literal da palavra de origem no latim), embora na nefrologia ainda seja. O Priberam dá a etimologia de preconceito, como é comum em dicionários, mas não a lista como definição. No entanto, a definição 1 parece influenciada pela etimologia. Tudo bem, há frases em que usamos realmente esse sentido: “meu preconceito sobre abrir uma empresa é que precisarei de muito capital inicial”.

Perceba que já comecei a definir de que preconceito estamos falando ao diferenciá-lo da definição influenciada pela etimologia. Mas eu não precisei fazer isso antes: apostei que o primeiro sentido de preconceito que você pensou ao ler o título deste texto foi justamente o social, acompanhado em versões mais danosas da discriminação injusta. Pois é um uso comum da palavra, especialmente nos nossos tempos, e o uso — com o perdão da repetição — faz o significado.

Pois continuemos. Na definição 2, sugere-se o sinônimo “intolerância”, e que o preconceito não é baseado em dados objetivos. É aqui que começaremos a nos distanciar do dicionário. Sempre que o assunto é tratado, é comum que se diga que preconceito tem a ver com estereótipos e que estereótipos são ideias imprecisas sobre certos grupos de pessoas. Manchetes de jornal e palavras de ordem chegam a tratar estereótipo como uma coisa intrinsecamente negativa que precisa ser quebrada, talvez sinônimo de preconceito (que as definições 3 e 4 também tratam como imoral, o que discutiremos a seguir sem voltar a elas).

Um fato testado e retestado pela psicologia social é que os estereótipos são precisosO estereótipo de que meninos gostam de carrinhos e o estereótipo de que meninas gostam de bonecas, por exemplo, mais acertam do que erram: englobam a maioria das meninas e dos meninos, deixando de fora as exceções. É isso o que queremos em qualquer teoria sobre a sociedade: que seja precisa o suficiente, descreva com sucesso a maior parte do grupo estereotipado. De fato, algumas das teorias mais respeitadas na própria psicologia social não chegam ao grau de precisão dos estereótipos. Sobre a precisão deles, as pesquisas mostram outra coisa interessante: os estereótipos são estatísticas intuitivas, que as pessoas formam por sua própria experiência como coletoras intuitivas de dados. E mais: as pessoas são racionais, atualizam suas crenças de acordo com novas informações: ao saberem de informações individualizadoras sobre uma pessoa, elas geralmente deixam de julgá-la com base nos estereótipos dos grupos aos quais essa pessoa pertence. E, se virem um número suficiente de pessoas de algum grupo com informações individualizadoras que contrariam o estereótipo, ele é atualizado com as novas informações.

Evidências empíricas mostram, portanto, que não serve alegar que o preconceito é baseado sempre em informações falsas. É importante aqui lembrar que os dados são coletados pela experiência. E que os estereótipos são levados em diferentes versões em cada cabeça, se cada cabeça tiver uma experiência diferente. Mas há consensos de estereótipos e esses são os mais precisos, assim como na ciência as teorias mais corroboradas são as que nascem de consensos de diferentes áreas de pesquisa: a evolução biológica, por exemplo, é apoiada por um consenso de geneticistas, paleontólogos, zoólogos, botânicos, microbiólogos etc., com base em diferentes evidências que contam a mesma história.

Se o preconceito pode ser baseado em informações verdadeiras, qual é o motivo de tanta desaprovação? Ainda é errado ter preconceito? A resposta é sim, nessa definição revisada:

pre·con·cei·to

  1. Juízo de valor moralmente enganoso sobre informações verdadeiras ou falsas a respeito de grupos de pessoas; frequentemente acompanhado de
  2. atribuição falaciosa de causa inevitável entre características biológicas ou identitárias (falsas causas) e mau comportamento (falsa consequência); e também
  3. atitude autoritária segundo a qual um indivíduo tem o dever de se comportar em conformidade com estereótipos a respeito de grupos aos quais pertence.

Creio que assim fica claro qual é o problema de ser preconceituoso e qual trabalho as pessoas contrárias ao preconceito deveriam estar fazendo.

Qual é o problema do preconceito, em três exemplos seguindo as três partes da definição:

  1. Não é que é falso que homens homossexuais são mais “promíscuos” que outros grupos de sexualidade: quem pensa que fazer muito sexo é antiético é que tem responsabilidade de mostrar que é mesmo imoral. Se não há problema moral inescapável na quantidade de sexo que gays fazem, a condenação desse comportamento é preconceituosa: é um juízo de valor enganoso.
  2. Não é que nunca é verdade que assaltantes são negros: em determinadas áreas, esse é um estereótipo preciso para boa parte dos assaltantes. No entanto, quem acredita que a causa do comportamento de roubar as pessoas com ameaças de violência é a cor da pele e demais características raciais de pessoas negras está enganado e é preconceituoso.
  3. Não é mentira que poucas mulheres gostam de engenharia e programação. Mas isso definitivamente não é desculpa para tentar obrigar Maria da Silva, uma engenheira de software, a largar a área, ou para alegar que ela não deveria ter entrado na área. Essa atitude e essa opinião são imorais, autoritárias e preconceituosas.

Atitudes recomendáveis para combater as três facetas do preconceito:

1. Discussão moral racional do julgamento de valor enganoso, para demonstrar que é mesmo enganoso. A vida sexual agitada dos gays solteiros não parece, à primeira vista, ser imoral. Afinal, estamos falando de pessoas adultas buscando o prazer privado com consentimento. O resultado disso é mais felicidade no mundo. Do ponto de vista dessas consequências, é perfeitamente moral. Do ponto de vista da liberdade, imoral seria impedi-los. Alguém pode dizer que essa “promiscuidade” pode resultar na propagação de doenças venéreas e, a longo prazo, depressão e falta de sentido na vida por ser correlacionado com falta de sucesso em relacionamento amoroso. Há respostas para isso: há prevenção para as doenças (e no caso, imoral é quem não se previne e põe outras pessoas em risco, e o problema deixa de ser a quantidade de sexo); e há relacionamentos abertos. O debate pode continuar, e pode até ser que alguém demonstre no futuro que excesso de sexo realmente é imoral. Neste caso, o preconceito é bom? Não, pois aí teremos a parte 2 da definição: ser gay não é a causa inescapável de ser promíscuo, portanto condenar a homossexualidade junto com a promiscuidade não faz muito sentido.

2. Para combater a segunda faceta do preconceito, é necessário ter curiosidade disposição para trabalhar em achar respostas. Duas coisas muito em falta na maior parte dos ativistas. E, para ser curioso e diligente, é preciso não ter medo do autoritarismo politicamente correto, que é uma resposta errada ao preconceito. É preciso não ter medo de achar informações que confirmem estereótipos, por saber que há uma separação rígida entre descrever como as pessoas são e julgar como deveriam ser. Não há, até hoje, motivo para suspeitar que ser negro causa uma propensão ao crime (para continuar no exemplo de preconceito dado antes). Mesmo se, em hipótese, as evidências levassem para esse lado, não há motivo para pânico ou para concordar com racistas: nós já sabemos com bastante segurança que as pessoas não são autômatos de propensões e que indivíduos sempre podem decidir não cometer crimes. Para forçar mais uma hipótese, e mais mirabolante: mas e se as pessoas forem autômatos? Afinal, há filósofos que não acreditam em livre arbítrio. Neste caso, a interpretação da informação precisaria ser muito mais afastada da punição do que seria hoje. Pois, como esclareceu Kant, “dever” implica “poder”: se um indivíduo não tem capacidade de agir diferente (não tem livre arbítrio), então não faz sentido alegar que ele deveria agir diferente, muito menos puni-lo. Mas não precisamos nos perder em especulações filosóficas: independentemente da diversidade das pessoas que cometem um crime, o problema moral continua sendo o crime, não as características biológicas ou identitárias das pessoas que o cometem, que provavelmente não são as causas mais determinantes do crime.

3. A solução para a mania dos preconceituosos de alegar que você deve se comportar de acordo com algum estereótipo não é a alegação falsa e popular de que o estereótipo não corresponde em nenhuma medida à realidade. Muito menos, como também é popular entre ativistas, criar políticas autoritárias que forçam “representação” de algum grupo em algum lugar em que ele é incomum. A solução é realçar a importância da liberdade, a importância de poder agir diferente das outras pessoas. A solução é também apontar para as qualidades de quem é exótico, excêntrico, incomum. Ninguém gosta de ser só mais um na multidão, sem nada em que se destaca. Apelemos para a empatia (mania de ativista, mas fazem errado também): se o preconceituoso não é igual aos outros em relação a alguma característica dele que é incomum (e sempre tem uma), por que você não pode destoar do estereótipo? Se ela é uma enfermeira apaixonada por Fórmula 1, por que você não pode ser um gaúcho que não gosta de chimarrão?

Com a idade as pessoas perdem velocidade no aprendizado de coisas novas. Não surpreende, portanto, que geralmente as pessoas mais preconceituosas da família são as mais velhas: elas não atualizam tão bem os estereótipos com base em novas informações, e elas fazem julgamentos morais inadequados sobre esses estereótipos sobre os quais os jovens se debruçaram e pensaram melhor. Na nossa sociedade, idade está correlacionada com menos oportunidades educacionais. Também não surpreende que as pessoas menos escolarizadas costumem ser consideradas mais preconceituosas. Esses são dois estereótipos sobre pessoas mais idosas e sobre pessoas com baixa escolaridade, que — agora sem surpresa para nós — são precisos, e coincidem com as pesquisas de opinião sobre grupos como os gays ao menos no último caso.

Cito isso porque também é o estereótipo das pessoas preconceituosas: mais velhas, menos escolarizadas, talvez com algum problema mental. Pensando assim, estereotipadamente, é até possível também repensar preconceitos contra preconceituosos, e lembrar que quem tem preconceito também é um ser humano, e que as respostas ao preconceito não precisam escalar a intolerância. Se não praticaram a discriminação injusta, mas só expressaram pensamentos intolerantes, por exemplo, é justo que os preconceituosos percam seus empregos, sejam forçados a uma vida de privação, ou sejam vítimas de agressões físicas? Sendo o preconceito imoral, tudo a respeito dele deve ser também ilegal? Certamente uma sociedade em que tudo o que é imoral é também ilegal é um Estado policial opressivo. Entendendo melhor o preconceito, ficamos mais preparados para agir contra ele da forma mais eficaz e humana, sem gritaria e sem pânico.

26th of July

Faça aqui o teste de QA – Quociente de Autismo


Traduzi e implementei como um programa o teste de QA — quociente de espectro do autismo. Não é uma ferramenta de diagnóstico, mas um indicador para quem tem dúvidas. O resultado mostrará um gráfico com a curva de distribuição de notas no teste da população em geral, a curva das notas de pessoas com autismo altamente funcional ou síndrome de Asperger, e uma linha verde posicionando a sua nota no teste. Quanto mais à direita no gráfico estiver a sua linha (quanto maior o seu QA), maior é a probabilidade de você estar no espectro do autismo. Meu programa não salva o seus dados. Em caso de dúvida ou preocupação com o resultado do teste, procure orientação médica.

13th of June

Você tinha razão: honestidade intelectual e falibilidade na prática Um pequeno exercício autobiográfico de mea culpa


Há menos de cinco anos, eu comecei a fazer ativamente o que muita gente recomenda da boca pra fora: ler e considerar calmamente as ideias de quem eu considerava defensor do exato oposto do que eu defendia. Não tenho total crédito por isso: colecionei amigos que estão dispostos a seguir o coelho para dentro da toca, muitas vezes mais que eu, e que puxaram o meu pé antes de entrar, me derrubando das minhas posições confortáveis e crenças sem mínima justificação.

Vamos sair do campo abstrato: eu era um típico membro da dita “esquerda progressista”. Co-fundador de uma das associações secularistas/ateias mais conhecidas da América Latina. Ousado defensor de tudo o que me parecesse verdadeiro e fosse impopular. (Talvez isso tenha a ver com a minha homossexualidade, que impôs uma necessidade de não ser o que queriam que eu fosse, e há tanto um lado bom quanto um lado ruim nisso.) Quando atraí a atenção de milhares de pessoas com uma resposta cientificamente embasada ao Silas Malafaia (da qual me orgulho), deixei claro nas redes sociais: “sou feminista, defendo o direito ao aborto, defendo os direitos dos LGBT, denuncio o racismo”, etc. Não se empolguem nem temam pela conclusão desse parágrafo: em certos sentidos, ainda sou tudo isso, mas agora com mais vergonha de sinalizar virtudes, um dos males dos nossos tempos: muita sinalização, pouco trabalho.

Claro, já não uso nem recomendo usar o termo “feminista”: na maioria dos casos, é uma coisa tola, pois ao adotá-lo você já está botando o foco em você mesmo(a), em vez de no diagnóstico do problema e prescrição cuidadosa e crítica das soluções (sem falar em propagar falsos problemas com estatísticas sem fonte, que são fofocas matemáticas). E, ao fazer isso, você está convidando seus instintos mais primitivos de lealdade a tribos para tomar a frente na sua imagem, apresentação e até estilo de vida, em vez de se focar em apresentar razões para o que você pensa. E, antes de você apresentar suas próprias razões, você tem a responsabilidade de não ignorar totalmente o que já foi feito no passado a respeito: fazer uma amostragem representativa do trabalho já feito não só é virtuoso, é uma norma do bom pensamento e uma marca de respeito aos seres humanos que já trabalharam no problema. Em resumo: palpitar sem estudar é outro mal dos nossos tempos, e Deus sabe, em toda a sua inexistência, que eu sou culpado disso e em eterna vigilância nos meus melhores dias. Ao menos posso dizer, sem temer exagero, que minha fase de adoção do fútil rótulo “feminista” foi marcada por mais leitura da literatura (especialmente a crítica à ortodoxia, em Daphne Patai, Janet Radcliffe Richards, Susan Haack, David Benatar etc.) do que jamais fará a maioria dos militantes virtuais da “causa” (sua verdadeira causa é com frequência a sinalização de virtudes, não problemas morais em torno dos sexos).

O mesmo padrão — foco egoico, sinalização de virtudes, tribalismo irracional — se repete em todos os outros assuntos em que se criou algum “movimento”. Boa parte dos participantes do “movimento ateu” não respeita a filosofia da religião e comete erros fundamentais, como o de alegar que ateísmo é “ausência de crença”. Uma parte influente dos participantes do “movimento negro” é — digamos sem rodeios — racista. Boa parte dos ditos defensores dos LGBT trabalham ativamente para fazer os LGBT parecerem apartados da população em geral, quando desaparecer em meio a ela era o propósito dos melhores ativistas da causa. Os movimentos fazem com a nuance e a análise o mesmo que massas justiceiras fazem com acusados de crimes como o estupro. A primeira vítima de linchamento em qualquer “movimento social” é a razão. E isso custa vidas, como os linchamentos literais: basta ver o caso do desabamento do edifício Wilton Paes de Leme este ano. As palavras “Luta” e “Movimento” aparecem no nome das organizações que ignoraram os riscos de abrigar famílias sem-teto no prédio.

Mas não estamos aqui só para criticar os movimentos sociais. Nem para dizer que o problema está só na esquerda (embora o flerte crescente com tribalismos identitários faça com que eu me pergunte se não está majoritariamente nela). Vim dar uma lista mais abrangente de assuntos em que eu errei e quem discutiu comigo é que tinha razão.

— Vegetarianismo. Já fiz até vídeo lendo e respondendo a um texto ruim que escrevi contra o vegetarianismo. Por enquanto ele fica no ar, para me lembrar da minha falibilidade e húbris. Para ver onde eu errei basta saber o fundamental sobre falácias, e para aprofundamento se digladiar com o que os eticistas dizem a respeito.

— Aborto. Aqui, eu fiz um trabalho melhor, concordando com os eticistas profissionais e debatendo cordialmente a respeito com conservadores. Mas isso não é desculpa para meus erros de substituir às vezes argumento por slogans e técnicas de propaganda. Num mundo com a enorme influência danosa das redes sociais, é fácil cair na armadilha de tentar assentar assuntos complexos com frases de efeito de 280 caracteres. Não, eu não “venci” o debate porque fiz um meme comparando fetos a nozes, mesmo que isso leve a algum raciocínio interessante. “Vencer” no sentido de dar os melhores argumentos em defesa do meu ponto de vista e sendo justo ao retratar o ponto de vista oposto — ver debates como competições por troféu é parte do que irracionaliza as pessoas. Quando debate é competição, quem sai perdendo é a verdade.

— Feminismo. Foram poucas vezes, mas eu cheguei a contrair o vírus feminista de ver sexismo em tudo e trair meu professado compromisso com evidências. Dica para quem ainda está nessa tribo: Jordan Peterson não é, evidentemente, um pensador perfeito, chega a ter algumas opiniões classificáveis como “pseudocientíficas”, mas o que ele diz sobre relações entre os sexos tem amplo apoio em evidências. É verdade que países mais igualitários desenvolvem mais diferenças entre os sexos, não menos, e que atribuir essas diferenças ao “patriarcado” é algo próximo de teorias da conspiração e criacionismo. Difamação e tentativas de assassinato de reputação não funcionarão para responder a isso. Felizmente, meus anos de identificação com o feminismo raramente incluíram esse tipo de estratégia de ataque pessoal, e há textos que produzi nesse período, neste assunto, que são bons.

— Pseudociências. Por falar nelas, eu não acredito mais numa lista que eu fiz de pseudociências de A a Z. Não é que eu tenha simpatias renovadas pelas tradições que eu busquei atacar com a lista. Todas as que eu classifiquei como pseudociências (tirando as piadas) têm mesmo problemas epistemológicos em graus variados, tanto na construção de suas proposições quanto na sua base evidencial. Psicanálise é um caso claro de pseudociência, não muito longe de casos mais claros ainda como homeopatia e criacionismo do tipo “design inteligente”, além, é claro, do construcionismo social que eu tanto menciono por ainda ser dogma em algumas áreas. O meu erro nesse assunto foi justamente ignorar a variação de graus de imprecisão ou erro em cada área, e confiar demais na minha amostragem de material de cada uma (que não é zero em nenhuma delas, em minha defesa). Esses graus de imprecisão e erro geram um espectro que vai de ciência ruim à salada verbal disparatada. Além disso, definir o que é pseudociência é muito mais difícil do que parece, especialmente para quem, como eu, não acredita que demarcar ciência é tão simples quanto Popper propôs.

— Economia. Minhas manifestações nesse assunto (praticamente ausentes neste blog) foram na maior parte cuidadosas. Responder a marxistas raivosos não é um erro e eu faria tudo novamente, pois estamos num país em que por muito tempo a propaganda ideológica transformou “liberal” em xingamento. Analogamente, também não me arrependo de ter respondido a anarcocapitalistas igualmente utópicos. Mas eu me lembro de uma ocasião específica em que eu estava errado, e o “debate” foi horrendo. Foi quando divulguei alguns poucos estudos que questionam a fibra moral das pessoas ricas, insinuando que ser rico deteriora o caráter. Não era material meu, era um cartaz que citava fontes que eu resolvi traduzir. Claro, é uma hipótese a se testar, mas até onde vi com mais cuidado, é ridícula. Talvez fosse um resquício de preconceito contra a liberdade econômica que eu — como toda pessoa criada na atmosfera intelectual largamente canhota no Brasil — tive por muito tempo até também abrir a cabeça para o enorme legado de sensatez do liberalismo e sua quase identidade com o iluminismo que eu alegava defender por inteiro. Neste caso em específico, a pessoa que se encarregou de me responder fez um trabalho pior que o meu, degenerando nossa interação num bate-boca infantil, e um bate-boca em estilo linchamento de muitos incapazes de argumentar com um indivíduo com argumento ruim e fontes insuficientes (esse ponto da insuficiência de fontes sequer foi feito, até onde lembro). Talvez essa pessoa poderia tomar um pouco das doses cavalares de semancol que eu tomei.

Epílogo

Não percebo a lista acima como um exercício de autoflagelação (que no fim das contas seria ainda mais sinalização de virtudes). Vejo como um passo importante num processo de aperfeiçoamento pessoal, que era um dos benefícios que Kant apontava no seu projeto de esclarecimento. Uso meu próprio exemplo para que a jornada de outras pessoas talvez seja facilitada, para que sua estrada seja menos esburacada e seu comando do volante seja melhor que o meu.

8th of June

A rapidez da evolução na genética do comportamento


Em quantas gerações a seleção pode levar a comportamentos diferentes? 30, se estivermos falando de comportamento de movimentação em campo aberto de camundongos, como foi feito no estudo de John DeFries e colaboradores em 1978, um dos maiores estudos de seleção de comportamento até hoje.

Uma das grandes descobertas da genética do comportamento é que praticamente todos os comportamentos têm alguma dose de participação genética. Essa participação é medida, em estudos iniciais, geralmente pela proporção da variação atribuível à herança genética em relação à variação total, conhecida como “herdabilidade”. Até hoje, inclusive em estudos com humanos, não foi descoberto comportamento com herdabilidade 0%, mas também não há descrito qualquer comportamento com herdabilidade 100% – comportamentos são fenótipos que envolvem sempre inflência ambiental, variando de comportamento para comportamento. Uma das maiores medidas de herdabilidade de comportamento em humanos é a do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade: acima de 70%.

Como há base genética nos comportamentos, eles podem ser alvo da seleção natural e outros processos evolutivos, como todas as outras características dos animais. No experimento de DeFries, houve seleção artificial em duas linhagens de camundongos em direção a cada vez mais atividade em campo aberto (ou seja, sempre que nascia uma ninhada de roedores, escolhiam os mais ativos para procriarem); em outras duas linhagens houve seleção em direção a cada vez menos atividade; e os pesquisadores deixaram os camundongos cruzarem aleatoriamente entre si em duas outras linhagens, como controle do experimento.

30 gerações depois, os pesquisadores chegaram a três grupos bastante distintos quanto ao comportamento sob seleção.

_____

DeFries, J. C., Gervais, M. C., & Thomas, E. A. (1978). Response to 30 generations of selection for open-field activity in laboratory mice. Behavior Genetics, 8(1), 3–13. http://doi.org/10.1007/BF01067700

1st of June

Suicídio e Liberdade


As liberdades individuais são importantes especialmente no contexto social: de dentro para fora, em como o indivíduo se comporta para com a sociedade, e de fora para dentro, em como a sociedade interfere na vida dele. As preocupações liberais estão em maximizar o que indivíduo pode fazer em interesse próprio e minimizar as interferências sociais sobre ele que são autoritárias.

São nesses níveis que o suicídio pode ser tratado à luz das liberdades. De dentro para fora: as pessoas são livres para tirar a própria vida? De fora para dentro: evitar um suicídio é uma interferência autoritária sobre a liberdade de outrem?

Acho que uma resposta dependerá do quanto a decisão do suicídio pode ser racional. Há exemplos de suicídios assistidos e eutanásia que têm toda aparência de decisão racional: a pessoa decide dar um fim pois não fazê-lo dá em uma morte mais lenta e mais sofrida. Dessa forma, num simples cálculo de consequências, o indivíduo está justificado em tirar a própria vida (tem boas razões para isso).

Seria racional um suicídio feito porque alguém julga que não tem “perspectiva de vida” (não vê sentido na própria vida) nem afetará negativamente outras pessoas, mesmo sem estar terminalmente doente? Parece que a resposta é sim, mas que esse tipo de exemplo seria raríssimo, pois não é tão difícil encontrar uma forma de ter uma vida produtiva e com propósito. Quem tem dois braços e duas pernas pode botar isso à prova ajudando os deficientes.

O que esse último exemplo hipotético sugere é que com frequência as pessoas que dizem que sua vida não vale nada e deve ser eliminada estão enganadas. Neste caso, estão sob alguma influência que explica o seu erro de avaliação, como a depressão. Assim, um bombeiro está plenamente justificado em vigorosamente evitar que pulem de uma janela: a probabilidade de estarem erradas, e, mais importantemente, a probabilidade de estarem ferindo a alguém (diretamente — ex.: familiares — e indiretamente — ex.: contágio social de suicídio), são mais altas que a probabilidade de estarem certas.

Esse raciocínio exige um abandono de todo tipo de relativismo. É incompatível com um relativismo moral (“se ela diz que precisa morrer isso é correto para ela”) e um relativismo epistêmico (“se ela diz que sua vida não vale nada, essa é a verdade dela”). A aceitação ou rejeição racional da decisão de um suicida (fora dos casos de eutanásia de pacientes terminais) depende da possibilidade de julgar se ele está objetivamente certo tanto no campo da ética quanto no campo do conhecimento. Sendo assim, a moda dos relativismos, ensinada hoje nas universidades e em parte da cultura popular, é uma moda muito mais perigosa do que parece à primeira vista.

_____

P.S.: Esse texto resulta de uma discussão do assunto no Fórum Livres. Não há motivo para preocupação com o autor. A pintura é “A Morte de Chatterton” (1856), de Henry Wallis (1830-1916).

25th of May

Abandonando as redes sociais: um guia incompleto Razões para cuidar do próprio jardim ignorando quantos olhos são postos nele


“Você não pode simplesmente dizer ao seu cérebro ‘Ignore a mulher bonita, ela não vem com o carro’ e esperar que ele obedeça, de forma que, no futuro, pode ficar tranquilo que quaisquer sentimentos ternos que você tem para com uma marca de carro em particular são baseados inteiramente na economia de combustível ou no desempenho. Você deve persistir na superação racional [dos seus instintos], toda hora.”
— Joseph Heath, Enlightenment 2.0, 2014. Tradução livre.

“O Twitter, é claro, por causa dos limites que impõe no comprimento da mensagem, é completamente contrário ao debate racional. Ele encoraja o equivalente verbal da briga de tapas. A incrível ‘necessidade de velocidade’ que o Twitter impõe é também catastrófica do ponto de vista da racionalidade. Então, o fato de que jornalistas e comentaristas políticos passam horas todo dia tuitando e lendo tweets não pode ser uma coisa boa. Os blogs têm muito mais potencial (…) [de fazer melhor].”
— Joseph Heath, Enlightenment 2.0, 2014. Tradução livre.

Li o livro citado acima no ano passado e, desde então, tomando outras opiniões, considerei a questão das redes sociais com graus variados de autocrítica e concordância com o diagnóstico negativo de Joseph Heath. É tempo suficiente para uma decisão. Decidi que Heath está certo. E esta semana desativei o Facebook (o que eu tinha feito muitas vezes antes em protesto contra a censura dessa rede) e também Twitter (o que eu nunca tinha feito em dez anos de presença lá). Não importa quanto tempo eu investi em alguma coisa: o tempo não é razão para continuar fazendo quando já concluí que é mais danosa à racionalidade do que uma ferramenta que a promove. Na verdade, dada a finitude da vida, o tempo que investi numa atividade em última análise reprovável é motivo adicional para parar imediatamente.

Certa vez, fui chamado de “divulgador do conhecimento” ou “ativista do conhecimento” (foi há alguns anos, daí a imprecisão) por uma pessoa que não gostava de mim. Pois eu gostei da alcunha, tanto que planejo me tornar justamente isso, se possível. Continuar em redes sociais, que provavelmente são mais danosas que condutivas ao conhecimento ou à racionalidade, seria uma mácula nesse propósito.

Discutamos, então, se é verdade que as redes sociais atrapalham a racionalidade. Para entender isso, precisamos discutir o que é, afinal, a razão. É uma discussão surpreendentemente rara, apesar de muitos declararem publicamente que estão do lado da razão (provavelmente para pavonear virtudes e uma boa imagem independente de realmente fazerem isso). Há páginas com milhões de seguidores alegando existir em prol da racionalidade, que jamais publicaram uma só resposta para a pergunta “o que é razão?”. A resposta, é claro, pode ser variada e vir de diferentes tradições de estudo, o que não significa que não seja una e anti-relativista. Na lógica e na filosofia, usar da razão é formular bons argumentos, evitar falácias, respeitar as premissas nas conclusões, além de usar de clareza em vez de obscuridade, explicação e justificação em vez de mera retórica. As ciências cognitivas adicionaram alguns detalhes, discutidos no primeiro capítulo do livro citado: razão é um processo análogo a um algoritmo cujo processamento é serial em vez de paralelo (distribuído), lento em vez de rápido (e o parâmetro de rapidez aqui são os sistemas rápidos da nossa mente, como o de reconhecimento de faces), depende da memória de curto prazo para organizar um conjunto limitado de diferentes elementos, e, é claro, depende da concentração focada e às vezes incômoda (pois, como é lenta, o trabalho é duro especialmente em problemas complexos), o contrário da qual é a distração hedonista. Vários desses aspectos dependem da consciência, mas a razão também pode usar o processamento difuso e inconsciente para ajudar a resolver problemas — contanto que se tenha dedicado ao problema antes disso a atenção focada e consciente. Defende-se, também, talvez com menos consenso, que a razão é uma atividade melhor feita por mais de uma cabeça, no que ela dependeria da linguagem. A tal ponto que a origem da razão e sua parte consciente é hipotetizada por alguns como uma conversa entre as duas partes de uma “mente bicameral”.

Finalmente, um aspecto importante da razão, mal compreendido tanto por seus defensores quanto pelos detratores, é que os resultados de sua aplicação não têm garantia perfeita de serem verdadeiros: é apenas mais provável que sejam verdadeiros do que se tivessem sido fruto de atividades arracionais ou irracionais. Já os frutos dessas últimas, quando são verdadeiros ou corretos, com frequência o são por acidente, justamente pela sua independência da razão.

As redes sociais atentam contra vários desses aspectos da razão, com exceção possível de seu aspecto social, que é mais controverso. Elas usam de dispositivos projetados para a distração hedonista. Acabo de notar, por exemplo, que eu já havia desligado o bate-papo do Facebook anos atrás, pois mesmo quando estava usando a rede para publicar textos analíticos eu era interrompido por mensagens privadas, além das notificações. Além de a velocidade das redes sociais também ser incompatível com a relativa lentidão da razão, também não deve ser saudável para a memória de curto prazo. A memória de curto prazo mais útil à razão é a capaz de reter as mesmas informações por muito tempo, não a acostumada com dezenas, centenas, milhares de fotos, frases de efeito e jogos de disputa de hierarquia que se vê todos os dias nas redes sociais. Como sabe quem já se sentou para fazer trabalhos analíticos que duram horas, meses ou anos, um bom pensamento arrebatado por uma distração pode equivaler a horas ou dias de trabalho perdido. Não há moda educacional que derrube esse fato insofismável: produzir conhecimento exige foco e memorização.

Não tenho intenção de sugerir aqui que tudo o que fazemos de valor é na mais concentrada das atividades racionais. Mas é inegável que o poder viciante (metafórico ou literal, a depender da pesquisa) das redes sociais toma preciosas horas quando se mergulha nelas. Alguém poderia responder, como é comum nos nossos tempos, que as motivações que aqui apresento para abandonar e recomendar o abandono das redes sociais são insinceras ou incompletas. Insinceras não são, mas é verdade que são incompletas. Toda pessoa é em alguns sentidos uma estranha para si mesma, e faz coisas que escapam à sua própria percepção. Certamente há motivações minhas que têm a ver com como eu me vejo em hierarquias, pois, apesar de ter acumulado supostos milhares de seguidores em cada página ou plataforma, ao menos nas que tinham meu nome minha base de “seguidores” estagnou após a resposta ao Malafaia: assim, com inveja ou rancor ou alguma outra motivação feia para expressar em público, decidi sair. É possível que seja parte do caso, sim. Mas apenas parte. O que eu disse acima sobre a incompatibilidade aparente entre razão e redes sociais se sustenta ao menos em parte independente das minhas outras possíveis motivações. E há algo adicional que posso dizer: os números são ilusões, ao menos no Facebook. São praticamente mentiras. Afinal, é o Facebook que controla o que seus usuários verão em suas “linhas do tempo”, é até mesmo o próprio Facebook que controla quais são as memórias dignas de lembrança de coisas ditas ou feitas anos antes na própria plataforma. O YouTube, do qual eu não saí pois vejo lá potencial de publicar conteúdo audiovisual que eu mesmo respeite, cada vez mais está também transformando em ilusão o botão de “inscrito” e até mesmo o sino de notificações, pois deseja controlar o que é visto por seus usuários mais do que eles próprios ao clicarem nesses botões.

Estou ciente de que pago um preço pela minha decisão: para alguém que deseja atingir um público ao escrever e produzir conteúdo, é praticamente um tiro no pé. Especialmente agora, quando sou ostracizado por denunciar os vieses políticos de outros divulgadores. Mas toda pessoa de princípios que não caiu no completo cinismo está disposta a fazer sacrifícios em nome desses princípios.

Ainda posso mitigar os efeitos das minhas decisões: como fiz no Xibolete, estou adicionando a este blog uma newsletter para que pessoas que gostam ou se interessam pelo que produzo recebam o conteúdo deste blog por email. Às que gostam, peço que também considerem patrocinar este trabalho para que ele seja feito mais e melhor. Obrigado. Agradeço também a todos os que me apoiaram até aqui, nos dez anos deste blog.

P.S.: O vídeo abaixo do Dr. Cal Newport tem argumentos adicionais que complementam este texto.

21st of April

Manifesto Isentão Como se afastar das tribos políticas


Aqui estamos, divididos em tribos políticas em perene disputa. A disputa não é de se estranhar: as vagas para o poder e o uso de recursos são limitadas. O que é de se estranhar são as tribos.

Talvez “tribo” não é o termo mais adequado, pois as tribos são agrupamentos geralmente pequenos e baseados na capacidade do indivíduo de formar uma rede de cerca de 150 contatos contínuos e estáveis em sua memória. Em contraste, as tribos políticas costumam ser bem maiores e mais complexas, envolvendo milhares, às vezes milhões de membros. Sua aliança é mais informal que formal, feita mais de declarações públicas de crença do que de contratos e carteirinhas. Com o perdão da escolha imperfeita de termos, falemos um pouco mais das tribos políticas.

Como apontaram pensadores, as crenças compartilhadas das tribos políticas não têm nexo lógico entre si. O que quer dizer que elas não são realmente, como pensam outros, organizadas em torno de crenças fundamentais das quais as outras crenças são deduzidas, nem mesmo em torno de um cerne de “valores”. Com o passar do tempo, os tais valores fundamentais podem até se inverter dentro de uma tribo política.

Essas afirmações podem parecer radicais. Mas, para testar se são verdadeiras, tomemos uma das definições mais populares que buscam enraizar tribos políticas em crenças ou valores fundamentais: Norberto Bobbio propôs, por exemplo, que a esquerda se organizaria em torno de uma preocupação com a igualdade, enquanto a direita se organizaria em torno de uma preocupação maior com a liberdade. Se isso é verdade, por que a esquerda está envolvida na criação de programas de “ação afirmativa” que desenfatizam a igualdade perante a lei (cotas raciais nas universidades, cotas de gênero nos partidos; e leis que, em vez de seguir a tradição de tipificar imparcialmente a conduta, mencionam “pelo nome” quem a faz e quem é o alvo), enquanto a direita está envolvida em restringir liberdades como o uso de drogas recreativas tão danosas quanto o álcool ou o tabaco?

Houve experimentos sociais que também provam essas contradições: o socialismo que vem para abolir diferenças entre classes, e termina por criar uma estratificação entre membros do partido mais funcionários públicos e o resto da população empobrecida. A defesa da família, tradição, propriedade e caridade privada em vez de programas de assistência estatais, que decide arbitrariamente que não é família se for chefiada por duas pessoas do mesmo sexo, não é tradição se afrontar seus brios religiosos, não é propriedade se pertencer à igreja (originando isenções de impostos) e não é caridade, mas abuso infantil, se quem adotar a criança for homossexual.

As tribos políticas são muito boas em apontar a hipocrisia umas das outras, enquanto ignoram a sua própria. A hipocrisia é tão comum que é quase um aspecto definidor das tribos políticas. E há pessoas que fazem carreiras como comentaristas políticos nessa atividade fácil de achar a próxima hipocrisia na tribo política do outro. Há hipocrisia porque as tribos não são, como já discutido, racionais.

As tribos políticas são reais e nós podemos, com alguma frequência, classificar algumas pessoas como membros de uma ou outra, especialmente quando estão dispostas a declarar lealdade a uma ou outra. O que não é real é que as tribos políticas sejam fruto de deliberações racionais, em vez de instintos “de manada” e irracionalidades. Desse modo, elas devem ser abandonadas.

Disso não se conclui que a saída é a apatia política. Há dados empíricos de que o engajamento político é inversamente proporcional à deliberação racional sobre problemas políticos: os mais engajados são justamente os mais fanáticos. São esses fanáticos que, talvez para pavonear virtudes que não têm e parecerem menos fanáticos do que de fato são, desejam que todas as pessoas sejam classificáveis em alguma tribo política fácil de “entender” e estereotipar de um modo que seja um insulto à tribo alheia e um elogio à tribo própria. O excessivo engajamento dos fanáticos leais às suas tribos serve como motivo para os mais racionais (e portanto mais apartados das tribos) se engajarem. E, quando isso acontece, fanáticos de todas as tribos políticas atacam o engajamento que não é leal a nenhuma delas, como é exemplificado pelo surgimento do xingamento “isentão”. Daí este “manifesto isentão”, intitulado ironicamente, mas sincero em chamar pelo maior engajamento dos isentões.

Talvez mereça mesmo uma alcunha pejorativa quem quer se fingir de isentão enquanto se encaixa perfeitamente, em suas ações e expressões, em alguma tribo política. Queremos, para contrabalançar a irracionalidade política, que quem é genuinamente isentão se engaje. Rascunhemos no que consiste a atitude isentona genuína, que demanda trabalho e não é para preguiçosos:

  • Gaste menos tempo tentando decifrar a que tribo política pertence uma opinião, e mais tempo julgando a opinião por seus méritos. Pode parecer contra-intuitivo ignorar as tribos dessa forma, mas na verdade essa é a parte mais importante, e que envolve o maior volume de trabalho. Nem sempre será fácil avaliar os méritos da opinião: pode ser que os dados sejam insuficientes, ou que você precise achar algum filósofo obscuro que tratou com rigor do assunto e pouca gente conhece. Familiarizar-se com filosofia (a filosofia rigorosa, não a oracular que se deixa confundir com literatura ou historiografia), aqui, é salutar.
  • Declare ignorância quando há evidências insuficientes para concluir por um lado ou por outro. Mas aplique o mesmo padrão de exigência para todas as opiniões: às vezes você saberá de pronto a origem tribal de uma opinião, e, caso tenha sido simpático a essa tribo política no passado, poderá ter o viés de exigir menos dela. E, se foi ou ainda é especialmente hostil a essa tribo, poderá exagerar nas suas exigências de evidências e bons argumentos.
  • Engaje-se politicamente. Será muito difícil declarar lealdade a algum partido, dada a tendência de todos os partidos de formarem tribos políticas. Mas o engajamento isentão é aquele baseado em propostas: “esta proposta é melhor, e eis o porquê”. O apoio a candidatos a cargos eletivos deve ser totalmente baseado no compromisso desses candidatos com essas propostas. O fato de dar razões para suas escolhas, em vez de baseá-las em apelos à autoridade, apelos à maioria, apelos às boas intenções e pavoneamentos de virtudes, já servirá para lhe caracterizar como isentão. Mas, cuidado: existem razões postiças baseadas em vieses diversos que a nossa mente tem de fábrica. Leia este livro, por exemplo, para melhor entendê-los.

Ser isentão não é ser perfeito, destituído de erros. Reconhecer a própria falibilidade, inclusive, é uma das virtudes isentonas. A atitude isentona deverá formar um mosaico de crenças que é só seu, baseado nas informações que você obteve, formando um espectro de convicção — da alta dúvida à alta certeza — de acordo com quantas evidências e bons argumentos você tem relacionado a cada uma dessas crenças, não de acordo com os ganhos sociais que você terá se declarar a sua fé em uma ou outra crença para agrado de alguma tribo política. Em outras palavras, quanto mais inclassificável politicamente você for, melhor estará como isentão.

***

P.S.: Neste “manifesto” foram citadas apenas as grandes tribos políticas “direita” e “esquerda”. Mas não é nem de longe, como insinuado, uma lista exaustiva das tribos. Grupos que começam com reais princípios e valores, e dedução de crenças com base neles, podem logo degenerar em tribos políticas. Um sinal dessa degenerescência é que os princípios e valores escolhidos de partida eram parciais, escolhidos a dedo de um universo em que há outros tão importantes quanto esses. Outro sinal é a proliferação de termos rotulantes para identidade política. “Eu sou não-sei-o-quê-ista com tendências fulanistas e uma pitada de qualquercoisismo” não é algo que tipicamente sairia da boca de um isentão. Termos rotulantes da identidade são um sintoma de tribalismo político.