17th of February

Pior que “fake news” é “fake knowledge”


Quem já consumiu muita notícia deve ter tido uma sensação que pode ser descrita como ‘ressaca informacional moral’. É aquela sensação de que você está adquirindo um monte de informações que em última análise em pouco ou nada afetarão a sua vida, além da rara ocasião em que te ajudam a ter assuntos para discutir em mesa de bar. E daí se Donald Trump foi pego desprevenido fazendo comentários desrespeitosos sobre mulheres? Só dá para imaginar que isso terá algum impacto na sua vida se você passar um tempo especulando sobre causalidades indiretas, do tipo improvável. Até notícias com aparência de extrema importância, como a escolha de um ministro do Supremo Tribunal Federal que tem conflito de interesses com a operação Lava Jato, dificilmente têm claras linhas causais que afetarão a sua vida em particular, mais que as vidas dos outros 200 milhões de brasileiros. E não é só isso: mesmo se afetasse, o seu poder de alterar alguma coisa é mínimo, quase nulo. E é aí que reverbera o conselho estóico de não gastar energia mental se preocupando com o que você não pode mudar. A ressaca informacional também é moral porque você se vê desperdiçando seu tempo aprendendo fatos inúteis ou inalcançáveis em vez de aprender o que pode melhorar a sua vida ou, no mínimo, ao menos te entreter.

Há uma natureza passageira, quase desesperadora, no ritmo das notícias. Vêm e vão. As pessoas se preocupam, protestam, depois esquecem. Alguns políticos até aprenderam que tudo o que têm que fazer para escapar da ira da opinião pública é esperar pelo próximo assunto que capturará a atenção coletiva. Esse ritmo não existe na produção de conhecimento. Talvez por isso é tão difícil achar seção de notícias sobre ciências que satisfaça a cientistas: enquanto os jornais querem fatos noticiosos, os cientistas querem fatos perenes. Por isso quase toda manchete dos jornais alegando que determinado fóssil revolucionou a teoria da evolução é falsa.

Se há um lado bom na efemeridade das notícias, é que, tanto quanto as notícias verdadeiras, as falsas acabam tendo, também, um impacto limitado. Não é o caso quando a falsidade está não nos fatos noticiosos, mas nos fatos aceitos como perenes. Aqui vai uma pequena lista de “fake knowledge” (conhecimento falso) cujo impacto é bem pior que qualquer “fake news” (notícia falsa):

  • Pareceres de “especialistas em problemas sociais” que fazem “sociologia normativa“, livre de dados. Esses especialistas estão virando figura frequente na TV. Se houve um problema específico com um grupo social específico, a resposta dogmática é sempre discriminação injusta e preconceito. Como eles sabem disso? Não pergunte. Se você perguntar, você aprova a discriminação injusta e o preconceito.
  • A aceitação comum da astrologia como, se não uma ciência do comportamento humano, ao menos um entretenimento inocente. Não importa que já tenha sido demonstrado que, em condições controladas, mapas astrais e horóscopos erram feio. Duvidar da astrologia deve ser coisa de leonino com ascendente em escorpião. A astrologia está até nas TVs do metrô de São Paulo. Não ocorre a ninguém que, se o metrô está investindo em astrologia, está usando um recurso limitado que poderia ser aplicado em, por exemplo, alguma produção artística local ou em algum programa informativo?
  • Conselhos de psicólogos e terapeutas que se baseiam em teorias obsoletas ou especulações sem base. Não importa o quanto se mostre os problemas teóricos da psicanálise, ela continua sendo tratada como um conhecimento sério nas graduações em psicologia. Outras áreas alternativas e agressivamente contrárias à psicanálise, como o behaviorismo, não se saem muito melhor em base teórica. Os behavioristas, ao menos os radicais, alegam que termos como “vontade”, “escolha” e “querer” são “mentalismos”, ou seja, ilusões coletivas de eras pré-científicas, que um dia serão substituídas todas por explicações em termos de comportamentos. “Penso, logo existo”? Que nada, duvide da experiência de realidade aparente mais imediata, substitua por “me comporto, logo existo”. Mas os behavioristas com suas bases controversas, embora com aplicação prática de maior sucesso que a psicanálise, nem se comparam aos vendedores de best-sellers de especulações psicológicas, como Augusto Cury e sua “teoria (sic) da inteligência multifocal” jamais publicada em periódicos revistos por pares.
  • Modas populares sobre tratamentos de saúde baseadas em apelos a autoridades e outras falácias, bem distantes de qualquer avaliação das evidências. Aqui há vários exemplos, dos defensores da fosfoetanolamina (desastrosamente apelidada de “pílula do câncer” pela imprensa) como “cura do câncer” aos defensores da homeopatia, que apesar de bater recordes em contradizer um número enorme de ciências estabelecidas – física, química, biologia – é reconhecida como especialidade médica pelo Conselho Federal de Medicina, não por acaso desde a época da Ditadura Militar. Essas modas populares são praticamente inevitáveis, dado o analfabetismo da população sobre como funciona a descoberta de novos tratamentos e qual é a cara da evidência de eficácia. Essas modas sempre surgem acompanhadas de anticorpos: se alguém duvida que uma nova coisa é finalmente a cura milagrosa, é porque está sob influência de alguma conspiração da indústria farmacêutica.
  • A ideia de que não existem transtornos psiquiátricos, só “tipos diferentes de ser humano”, e que a psiquiatria só classifica certos comportamentos ou características mentais como transtornos porque, adivinhe só, tem interesse em lucrar com a indústria farmacêutica. Há evidência circunstancial de que nos EUA, por exemplo, há um diagnóstico excessivo de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) entre crianças, talvez motivado, sim, por interesses econômicos. Mas, para azar dos conspiracionistas, a genética do comportamento, que não sofre nenhuma crise de replicação de resultados (diferente de boa parte da psicologia feita com mais rigor), encontrou consistentemente que o TDAH é uma das características comportamentais (ou conjunto delas) com a maior herdabilidade já encontrada entre humanos, acima de 70%. Esse valor indica uma participação majoritária dos genes na determinação do transtorno. O problema do diagnóstico excessivo, ou na verdade medicalização excessiva, é que ignora que crianças frequentemente têm fenótipos psiquiátricos que se resolvem com o tempo. Um exemplo disso é a disforia (a sensação de se estar no corpo de sexo errado), que se resolve na maioria das crianças que a manifestam sem necessidade de transição entre gêneros.
  • Especulação. Talvez não é necessário dizer, mas o digamos por cautela: especulação não é conhecimento. Se a Scientific American (uma boa revista) especula que nos próximos 15 anos teremos toda a tecnologia necessária para colonizar Marte, não significa que sabemos disso. Bons divulgadores como Carl Sagan deixam claro quando estão divulgando o que está justificado suficientemente por evidências, e quando estão especulando. Com frequência, essa distinção importante é esquecida por outros.