13th of September

Neerja Bhanot e o sentido da vida


5 de setembro de 1986, 5 da manhã. O vôo 73 da Pan American, vindo de Mumbai, pousa em Karachi. É um Boeing 747-121 com 360 passageiros. Os planos de continuidade do vôo após essa escala são interrompidos, uma hora após o pouso, quando quatro palestinos armados tomam controle da aeronave. Eles estavam disfarçados de seguranças do aeroporto de Karachi e traziam rifles, pistolas, granadas e explosivos plásticos; usaram também uma van disfarçada de veículo de segurança para embarcar no avião. Há duas hipóteses para os planos dos terroristas: sequestrar o avião para buscar prisioneiros palestinos no Chipre e em Israel, ou usá-lo como arma, à maneira do 11 de setembro de 2001, contra Israel.

Eles entram dando tiros com arma automática. É aí que entra em ação Neerja Bhanot, uma das comissárias de bordo. Talvez foi ela o membro da tripulação que alertou piloto, co-piloto e um engenheiro de vôo, que logo fugiram por uma porta da cabine. Com essa manobra, os terroristas são forçados a ficar em solo e negociar com a polícia.

Safarini, o líder dos terroristas, exige que o piloto volte, caso contrário atiraria em Kumar, um cidadão americano. Dá 15 minutos aos negociadores. Impaciente com a demora, cumpre a ameaça na frente dos passageiros. Kumar morre a caminho do hospital.

Os terroristas então mandam a tripulação coletar os passaportes dos passageiros. Neerja novamente pensa rápido: os passageiros americanos provavelmente serão alvos de mais assassinatos. Ela esconde uma parte dos passaportes de americanos sob uma poltrona, e joga o resto numa conduta de lixo. O plano parece funcionar, pois Safarini escolhe um britânico, Michael Thexton para ir até o local onde havia executado o americano. O terrorista conversa com o britânico, num aparente lampejo de humanidade diz que não gosta de toda essa violência, mas que era forçado a fazer isso por causa da atuação dos americanos e israelenses na Palestina (o que torna provável que se Thexton fosse americano, teria sido executado). Em vez de executado, o britânico é mandado de volta ao seu assento.

Durante a espera de uma decisão, uma aeromoça arranca instruções para a abertura de uma porta de emergência, bota numa revista e instrui um passageiro perto de uma dessas portas a ler a revista.

A noite cai, o avião fica sem luz, e os terroristas ficam impacientes. Reconhecendo sua derrota, mudam seus planos para um fim sinistro. Após uma oração, um deles mira num explosivo na cintura de outro, planejando causar uma grande explosão e matar todos a bordo. Por causa da pouca luz, o tiro causa uma pequena explosão, não sendo suficiente para matar a todos, nem mesmo aos terroristas. Outras pequenas explosões de granadas também acontecem, igualmente contidas pela confusão do breu. Mas as balas dos terroristas começam a matar os passageiros. Os planos da tripulação com o passageiro próximo à porta de emergência funcionam, ele consegue com sucesso abrir a porta. Neerja se põe a ajudar os passageiros a sair do avião.

22 passageiros morreram, 150 ficaram feridos. Um dos mortos foi Neerja Bhanot. Ela se fez de escudo humano para salvar três crianças das balas dos terroristas. Ela estava a dois dias de completar 23 anos. Neerja recebeu condecorações de honra póstumas da Índia e do Paquistão por sua coragem, batendo recordes com seu gênero, idade e status de civil.

Safarini hoje está cumprindo uma sentença de mais de 100 anos numa prisão do Colorado, depois de um tempo foragido após ser sentenciado a prisão perpétua no Paquistão. Em 2010, outro sequestrador do avião foi morto por um drone americano no país.

***

Depois de alguns séculos quase esquecido, o sentido da vida foi recentemente ressuscitado como problema filosófico na filosofia analítica com o trabalho seminal de filósofos como Susan Wolf. Desidério Murcho, filósofo português e professor da UFOP, resume essas ideias lapidadas de sentido da vida como “entrega ativa a projetos de valor”. Desidério crê que podemos objetivamente saber se uma vida tem sentido ou não. Nenhum desses filósofos duvida que pessoas com atitudes heróicas como Neerja Bhanot são exemplos claros de vidas com sentido. Não é à toa que heróis atraem tanta admiração. Todos nós queremos ter sentido nas nossas vidas.

Fontes da história:
https://en.wikipedia.org/wiki/Pan_Am_Flight_73
https://en.wikipedia.org/wiki/Neerja_Bhanot
http://timesofindia.indiatimes.com/world/us/24-yrs-after-Pan-Am-hijack-Neerja-Bhanot-killer-falls-to-drone/articleshow/5454295.cms?referral=PM

Volume com trabalho de Susan Wolf e discussões dele:
http://www.amazon.co.uk/Meaning-Life-Why-Matters-University/dp/0691154503/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1442148146&sr=8-1&keywords=meaning+of+life+susan+wolf

Volume em português sobre o sentido da vida editado pelo prof. Murcho, incluindo tradução de um artigo de Wolf:
http://criticanarede.com/viverparaque.html