15th of November

Psicologia Evolucionista justifica preconceito, machismo e misoginia?


Quando eu fundei o blog de divulgação científica Evolucionismo, eu passava bastante tempo varrendo órgãos de imprensa convencionais procurando notícias científicas.
“Tu me ergues”, parque Vigeland, Oslo.
O que eu descobri é que notícias de ciência, por falta de preparo de muitos jornalistas, e por falta de interesse dos órgãos em contratar jornalistas especializados como o Reinaldo José Lopes, são eivadas de meias-verdades, oportunidades perdidas para ensinar conceitos importantes, e tentativas frustradas de espetacularizar o que não é um espetáculo noticioso como “homem morde cachorro”.
E não é feito por má fé, é que a receita para fazer notícias não funciona muito bem quando se trata de divulgar descobertas que requerem a compreensão de certas teorias e premissas anteriores.
A psicologia evolucionista (eu prefiro “evolutiva”, ao contrário de profissionais da área no Brasil) sofre bastante nas mãos da imprensa, que tem essa sede de querer noticiar hipóteses ruins de certos profissionais, que costumam estar bastante distantes da prática acadêmica dos melhores psicólogos evolutivos. De vez em quando sai algum livro absurdo alegando coisas tolas sobre diferenças de comportamento entre homens e mulheres e firmando a alegação na nossa história evolutiva.
A primeira distinção que deve ser feita é que as fontes primárias são os artigos publicados em periódicos acadêmicos revistos por pares, não em livros de divulgação. E entre os livros de divulgação, bons autores consagrados devem ser lidos primeiro, na área sendo indispensáveis Steven Pinker e Gary Marcus.
Um centro respeitado de pesquisa em psi-evo é o liderado pelo casal Leda Cosmides e John Tooby na Universidade da Califórnia em Santa Barbara.
Não, a psicologia evolutiva definitivamente não existe para justificar preconceitos e misoginia. Ela existe para gerar hipóteses testáveis sobre que componentes do comportamento humano pode ser explicados e previstos por nossa história evolutiva. O comportamento irracional de parte da população de comer até ameaçar a própria saúde, porque supostamente deriva de uma era em que nossa espécie tinha pouco alimento disponível, por exemplo, começa a ter corroboração em nível molecular.
Outras histórias de sucesso da psicologia evolutiva são explicar por que motivo as estatísticas apontam que filhos adotados sofrem mais nas mãos dos próprios pais do que filhos biológicos (efeito Cinderela); e como funciona o mecanismo psicológico de detecção de parentesco que fundamenta o tabu quase universal do incesto (efeito de Westermarck).
O que a psicologia evolutiva não é:
– alegações de diferença de QI entre negros e brancos;
– alegações de diferença de QI entre mulheres e homens;
– qualquer explicação que descreva um grupo de pessoas como “mais evoluído” que outro.
Há diferenças de comportamento entre homens e mulheres, com raízes evolutivas? É possível que sim. Tanto quanto há diferenças anatômicas entre um grupo e outro. E são diferenças que valem para a maioria estatística, para as quais há exceções e minorias naturais (tanto quanto há pessoas que nascem com genitália ambígua, ou pessoas que desde muito cedo manifestam transexualidade apenas psicológica sem nenhum sinal corporal).
É digno de atenção, por exemplo, que também entre chimpanzés existe uma diferença de preferência de brinquedos entre machos e fêmeas infantes.
Constatar que diferenças existem até na raiz evolutiva e genética dos seres humanos não é justificar preconceitos nem misoginia. Parafraseando Karl Popper, o ideal do igualitarismo simplesmente é cego para as diferenças factuais entre as pessoas, ou seja, promover a igualdade como valor moral não significa ignorar que as diferenças existam entre as pessoas – na verdade é preciso louvar as diferenças, e, ao constatar que alguma variante torna seus portadores vulneráveis, tomar ações afirmativas para elevá-los à igualdade.
Se é algo como não poder andar, criar rampas de acesso para cadeirantes. Se é algo como sofrer violência dentro de casa com mais frequência, criar coisas como a delegacia da mulher e a lei Maria da Penha (sem criar a ilusão de que o grupo masculino não pode ser vítima ocasional de violência doméstica, em menor frequência que as mulheres). Se é algo como menor acesso à educação, facilitar este acesso de uma forma que não diminua o mérito e esforço (sou favorável a cotas econômicas, mas não a cotas raciais).
A psicologia evolutiva existe para o propósito de qualquer outra ciência: desvendar, amoralmente como toda ciência, aspectos de seu objeto de estudo (nossa própria natureza) que possam nos informar melhor em nossas decisões. A psicologia evolutiva é amoral no sentido de funcionar como uma lança funciona (parafraseando Carl Sagan): a lança pode ser usada para matar pessoas ou para caçar e alimentar uma família. A psi-evo pode ser usada para estigmatizar (e quem faz isso geralmente não usa boas fontes) ou para mostrar que tipo de vieses nós como uma espécie temos e o que podemos fazer para viver melhor com eles.
  • "promover a igualdade como valor moral não significa ignorar que as diferenças existam entre as pessoas – na verdade é preciso louvar as diferenças"

    isso é algo óbvio, mas que precisa ser dito, uma vez que os próprios movimentos que lutam pela igualdade entre grupos muitas vezes ignoram isso (as vezes até por má fé mesmo, infelizmente).

  • Um esclarecimento necessário, considerando todas as vezes que a psicologia evolutiva é mal usada.
    Muito bom, Eli!
    Beijão 🙂

  • Não entendi por que diferença de QI entre etnias é uma exceção. Estamos criando tabus em ciência?

  • Muito bom o artigo.
    Entretanto, o uso do termo PSICOLOGIA EVOLUCIONISTA é usado para diferenciar de PSICOLOGIA EVOLUTIVO.
    Esta diz respeito ao período de desenvolvimento humano (aspectos de maturação), já o uso PSICOLOGIA EVOLUCIONISTA é usado para aplicação da Psicologia na teoria evolucionista.

    (:

  • Samovar,
    sugiro o livro "A falsa medida do homem", de Stephen Jay Gould, para entender por que motivo diferenças de QI entre etnias são altamente controversas. A própria medida de QI é altamente controversa.

  • Walison,
    eu ainda prefiro psicologia evolutiva, porque o nome usado na língua franca da academia, o inglês, é evolutionary psychology, não evolutionist psychology.

  • É aquela velha confusão entre juízo de fato e juízo de valor, e da derivação imprópria de um "deve" a partir de um "é", chamada pelos eticista de falácia naturalista. Porém, como nos lembra Peter Singer, descobridor de uma ética impecável, abraangente e solidamente alicerçada em fatos científicos de nossa herança evolutiva, o princípio da igualdade não é uma assertiva factual, mas um um princípio ético básico que exige apenas a igual consideração dos interesses das partes afetadas por uma ação.

  • Texto necessário! Excelente!

  • Perfeito, Dalila.

    Åsa e Marcelo, muito obrigado.

  • Bom texto, verei se consigo maior material sobre o assunto depois de ler esse post.

  • Eli

    fugindo do tema, vc já leu o livro darwin on trial de Phillip Johnson. Se o fez, seria possível vc expor uma resenha desse livro com os devidos comentários onde o sujeito se degladia com a TE.

    Grato

  • Cl.

    Eli, esqueci de te agradecer pelo esclarecimento dessa pergunta lá no tumblr. Então, desculpa, e Obrigada!

  • Salve Eli,

    Escrevi um texto no meu blog (Por que não sou religioso) e suas críticas à ele seriam interessantes. Se quiser ler: tudoecritica.com.br/?p=1006

    Um abraço do leitor assíduo!