2nd of April

Eli, pensa comigo, a ciência vive mudando, como já mudou de “opnião” diversas vezes. E se alguém vier e provar o contrario de varias teorias que você usa para apoiar a ideia de que não existe um deus?


Pensa comigo: qualquer coisa que você pegar neste mundo, qualquer mesmo, é mais complicada do que você pode reconstruir na sua imaginação. Como dizia o físico Richard Feynman “a imaginação da natureza é muito maior que a do homem, ela nunca vai nos deixar relaxar”.

Sendo assim, toda descrição que você fizer de qualquer coisa será incompleta, e sempre que você tiver um problema prático que envolva esta coisa, você deverá rever o que pensava a respeito dela, e eventualmente mudar o que você pensava.

Essa noção de que a ciência muda de opinião o tempo todo é no mínimo ingênua. É mais uma ampliação informada de conhecimento do que uma mudança. Einstein reformou as teorias de Newton sobre a natureza da gravidade, que deixou de ser vista como vetores de força e passou a ser vista como curvaturas no espaço-tempo – mas essa é apenas uma descrição aproximada dos cálculos matemáticos e argumentos complexos usados por Einstein. Para efeitos práticos, ainda funciona para vários casos considerar a gravidade uma “força”.

Se nos jornais sai hoje que ovo e café fazem bem, e amanhã que ovo e café fazem mal (não é bem assim, mas estou tomando como exemplo da percepção leiga de ciência mais comum nos brasileiros), não significa que estamos mudando de ideia o tempo todo sobre a natureza do ovo e do café. Sabemos muito bem que o ovo contém certas proteínas, carboidratos e gorduras, e que o café contem uma miríade de moléculas orgânicas como a cafeína.

Esses estudos de “fazer mal” ou “fazer bem” são estudos estatísticos que estão sujeitos a flutuações aleatórias dependendo de várias coisas, do desenho do experimento ao tamanho da amostra. Uma coisa é achar um resultado estatisticamente significativo, outra é explicar esse resultado em termos de moléculas e componentes do objeto de estudo. E esses experimentos não podem tratar pessoas como camundongos por razões éticas.

E se alguém provar falsas as teorias modernas? Bem, não tem como fazê-lo de modo tão simples – dado que temos tecnologias que FUNCIONAM baseadas nessas teorias, como o computador na minha frente depende da mecânica quântica e como nosso conhecimento da origem do HIV depende da teoria da evolução. Não se prova falsa uma teoria científica sem botar outra teoria no lugar que faça tudo o que a antiga fazia antes, de preferência melhor.

Estou tão temeroso de estar errado sobre Deus quanto de estar errado sobre as fadas. (Talvez fadas sejam mais prováveis…)