19th of February

(Des)apontamentos sobre os reacionários


white_prideA pessoa pode ser obcecada por bodybuilding / fisiculturismo. OK, são os valores dela e é obrigação minha respeitar. A pessoa pode ser um zero à esquerda em questões intelectuais. Tudo bem também, todo mundo é ignorante em alguma coisa, defeito é fingir saber o que não sabe ou não saber que não sabe. Mas perder o tempo dela respondendo ao movimento negro dizendo que vai usar camisa "100% branco" ou dizendo que tem orgulho de ser branco, ou ainda responder ao movimento gay falando em "orgulho hetero" e "heterofobia", não é apenas ter valores diferentes dos meus ou ignorância, é perversidade e mal-disfarçada racionalização freudiana para uma forma de pensar animalesca, que corrobora com o "nós contra eles", que não promove a integração necessária para o avanço da humanidade. Ter orgulho de ter um fenótipo privilegiado por razões históricas ou ter orgulho por ter nascido no lugar X e não no lugar Y não é diferente do comportamento de um cachorrinho que se apega a um osso velho e podre só porque foi a melhor porcaria que conseguiu. A gente tem que se orgulhar por realizações, ou para afirmar não se sentir diminuído por pertencer a uma categoria desfavorecida. Orgulho de ser branco ou de descender de europeus é para idiotas que não têm realização alguma da qual possam se orgulhar: afinal, a suposta superioridade da brancura sobre a negritude e da Europa sobre os demais rincões do mundo foi conquistada com a brutalidade dos nossos antepassados. Se orgulhar do status quo é para aqueles seres limitados que nunca experimentaram a delícia que é ser diferente das pessoas que amamos.

  • Ótima construção do pensamento.
    Orgulhar-se da cor da pele não é apenas patético como é sem fundamento. Não se trata apenas de um efeito do clima ao longo do tempo? Não se trata apenas de um efeito da evolução como descer das árvores ou ter polegares opositores? É nonsense a "filosofia" de certos indivíduos.

  • Gostei do texto, Eli. Simples, direto e toca num ponto que costuma me incomodar : a "burrice" das pessoas. Costumo dizer que meu único preconceito é com as pessoas burras. Você definiu bem o conceito dessa burrice. Não os iletrados, não os infleizes que não tem acesso a informação, e não os de "baixo QI". Tenho preconceito contra esses desonestos intlectuais que você citou.

    Abraço

  • Muito bom! Só tenho uma dúvida: essa cruz com o círculo é geralmente símbolo de grupos racistas por simbolizar a herança cristã da Europa ocidental?

    E de fato, essa coisa de "orgulho hétero" é ridícula, eu tinha uma namorada adventista que entrou numa comunidade do Orkut (na época eu ainda usava essa abominação) chamada "Orgulho Hétero"… Na época eu apenas estranhava, mas, agora mais do que nunca, eu teria muita vontade de mandá-la à m** por causa desse ato infeliz!

    Abraços, e continue com essa qualidade de sempre! 🙂

  • Concordo com tudo, Eli. Mas há de se deixar claro que as "sem-razões" dos brancos em exaltar sua cor são as mesmas dos negros.

    Há tanto sentido em ter orgulho de ser negro quanto há em ter orgulho por ser branco – ou seja, nenhum.

  • Eli, meu amigo,

    Eu havia escrito um comment maior, mas deu erro na hora do envio.

    Pois bem! Tentando ser sucinto (embora isso signifique lutar contra uma compulsão minha, você bem o sabe), o que eu queria dizer é que achei seu post simplesmente impecável. Foi direito ao ponto, sem rodeios, e disse tudo o que precisava ser dito.

    Gostei tanto que tratei logo de divulgar no Twitter, pois vale mesmo a pena ser lido por muita gente, em especial no mundo virtual da internet.

    Parabéns pelo texto, meu brother!

    Abração!

    João Cunha,

    Embora sua colocação possa ter sentido num e noutro aspecto, é preciso estar ciente de um conceito muito importante quando se avalia as ações afirmativas na sociedade: as falaciosas falsas simetrias. Quem, no contexto histórico de uma sociedade, sempre teve seus direitos garantidos, ou, ao menos, nunca os teve ameaçados, não precisa de ação afirmativa.

    Eis o primeiro de vários motivos que tornam a atitude de brancos com camisetas "100% Branco" ou heterossexuais agitando a bandeira do "Orgulho hétero" numa palhaçada injustificável.

    ~ Camilo.

  • Silvia, Henry, Erick, João e Camilo,

    muito obrigado.

    João,

    ter orgulho de pertencer a uma minoria não é uma exaltação desnecessária. É uma autoafirmação necessária.

  • Ter orgulho de ser negro (ou de ser baiano, ou de ser hipocondríaco, etc) não é autoafirmação, é presunção.

    Uma camiseta "100% negro" faz sentido, já os dizeres "orgulho em ser negro", não.

    Concordo que as minorias têm de se auto-afirmar, mas fazê-lo mostrando orgulho e evidências históricas e culturais traz a horrenda conotação de superioridade, a mesma que detestamos nos brancos racistas.