30th of October

5 criacionistas desonestos do Brasil


Peço desculpas pelo título ligeiramente pleonástico. Já sei o que você vai dizer: “Eli, por que você perde tempo com essa gente?” A resposta eu tiro da pena de H. L. Mencken (1924):

“O iconoclasta se afirma quando prova com suas blasfêmias que este ou aquele ídolo não passa de uma besta – e deixa cheio de dúvidas pelo menos um dos que o ouvem. A liberação da mente humana avançou muito quando alguns gaiatos depositaram gatos mortos em santuários e depois saíram pelas ruas espalhando que aquele deus no santuário era uma fraude – provando a todo mundo que a dúvida era uma coisa legítima. Um relincho vale por 10 mil silogismos.”

Quem é o ídolo-besta aqui? Eu diria que são as ilações desonestas de certos indivíduos que perdem a noção da argumentação racional quando a mesma ciência que usam para postar em seus blogs e vacinar suas crianças começa a pisar em seus sensíveis calos religiosos, que só estão em seus pezinhos porque essas pobres pessoas tiveram a infelicidade de sofrer doutrinação na infância, de um modo tão dramático que qualquer pontinha de dúvida parece lhes causar irritação e lágrimas. Mesmo que seja dúvida alheia. Não suportam ver que a biologia moderna está sustentada sobre um pilar central chamado teoria da evolução. Não suportam ver que áreas completamente independentes dentro das universidades, como a cosmologia na física, as neurociências na fisiologia e na psicologia, e a estatística em todas elas e muitas mais, colocam sua biblicomania onde ela merece estar: no compêndio de mitos que a imaginação humana já criou e não servem para nada quando se trata de investigar objetivamente o que este universo, este planeta, esta espécie e esta mente são, já foram ou poderão ser. E o gato morto é uma coisa que eles chamam pelo anglicismo “design inteligente” ou pelo tradicional arroz-com-feijão “criacionismo”. A diferença entre as duas coisas é algo que estamos aguardando desde que o tal Discovery Institute lançou o infame documento Wedge – cuja intenção é marretar uma cunha (wedge) de obscurantismo na menor das frestas políticas de atividades seculares da Humanidade como a ciência. (Jerry Coyne já tentou ver alguma diferença entre criacionismo e DI, sem grande sucesso.) Eis o meu relincho iconoclasta contra cinco dessas criaturas, a seguir (se bem que eu tenho muitas dúvidas sobre quem está relinchando aqui). Vamos ao primeiro.

1 – Enézio de Almeida

Procure qualquer notícia sobre biologia evolutiva na internet. Qualquer uma mesmo. Para cada uma delas, na faixa cronológica dos últimos quatro anos, você provavelmente encontrará um relincho comentário correspondente num certo blog tocado por este homem que atende pelo nome de Enézio de Almeida Filho. Meu problema com Enézio nem é tanto o fato de ele defender esse criacionismo versão cavalo-de-Troia cuja tradução correta do nome seria “Projeto Inteligente”. Muito pior que ele se agarrar com todas as forças de seu coraçãozinho a uma hipótese falida é sua absoluta incapacidade de realmente refutar um argumento alheio, e igualmente grande inanidade em defender seu próprio ponto de vista que tem óbvias raízes na religião. Evidências para minhas acusações? Claro que tenho. Vejamos duas:

  • A resposta de Enézio para o site da Ciência Hoje, quando este se recusou a publicar as chorumelas do criacionista Marcos Eberlin sobre o artigo de Sérgio Pena, foi uma barafunda de insinuações à moda das piores teorias da conspiração. Para ele a SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência) tem possibilidade de cortar as verbas do laboratório de Eberlin porque ele tentou publicar alguma besteirinha fundamentalista numa revista de divulgação científica. Evidências do Enézio? Bem… esta é a pergunta que mais dói nos calos dele. Detalhe: ele também quer a demissão do editor da CH online.
  • Enézio parece achar que copiar e colar textos de evolução em seu blog e depois comentar alguns parágrafos é o suficiente para desacreditá-los, sendo esses parágrafos meras repetições de sua infindável agenda pseudocientífica, meras afirmações sem sustentação alguma em literatura científica. Exemplo: em resposta ao artigo de divulgação de Reinaldo José Lopes sobre o fóssil Ardi, publicado na Folha, Enézio fez uma série de perguntas e recomendou postagens de blogs como o de Casey Luskin, um apologeta para o já citado Discovery Institute (dedicado a chorar pitangas pelo fracasso do criacionismo há décadas). Enézio, tão preocupado em olhar as diretrizes de publicação da Ciência Hoje supostamente traídas pela recusa de publicação da réplica de Eberlin, diminui bastante seu zelo quando tenta refutar uma publicação científica mostrando o parentesco entre o Ardipithecus ramidus e o Homo sapiens. O que eu não engulo é que Enézio não saiba a diferença entre divulgação e publicação científica, e que uma publicação científica só pode ser refutada com outra publicação científica.

Mas, em meio a tantas críticas à pesquisa em biologia evolutiva, onde estão as evidências de Enézio para a criação? Em sua defesa, Enézio poderia inventar que a tal “complexidade irredutível” é evidência positiva de criação, por isso tentou defendê-la desesperadamente nos comentários do blog RNAm. Como eu disse naqueles mesmos comentários, non sequitur é pensar que ainda que exista algo irredutivelmente complexo, só poderia ter vindo das mãos de um artífice inteligente fantasmagórico que tem como hobby mandar seus filhos semideuses para sangrar até a morte pregados em pedaços de pau na Terra. E o maior defensor da ideia de complexidade irredutível, Michael Behe, reconheceu que ela não implica em criação (caso existisse complexidade irredutível, o que também não é o caso). E até hoje Behe está devendo uma reformulação do conceito de complexidade irredutível que ele prometeu em seu texto Reply to My Critics (Biology and Philosophy, 2001). Desnecessário dizer que a publicação em que Behe apresenta a ideia, o livro “A caixa preta de Darwin”, passa bem longe de ser uma publicação científica revista por pares.

“Behe teve de admitir que não havia uma única publicação revista por pares em ciência que apoiasse sua visão sobre sistemas biológicos irredutivelmente complexos que não pudessem ser possivelmente explicados pela evolução. Behe admitiu em sua “Réplica a Meus Críticos” (Reply to My Critics) que apontar para um sistema irredutivelmente complexo (onde uma parte faltante causaria o colapso do funcionamento do sistema) não era o mesmo que evidenciar que tal complexidade irredutível não pudesse emergir através da seleção natural. Na biologia evolutiva o conceito de exaptação é largamente usado para explicar a evolução de uma característica biológica que sirva uma função num ponto da evolução e muda para outra função depois devido a mudanças no sistema em questão. (…) Para piorar, Behe tinha descrito (1) o flagelo bacteriano, (2) a cascata de coagulação e (3) o sistema imunológico como três sistemas irredutivelmente complexos. Porém, Kenneth Miller, professor de biologia da Universidade Brown e especialista em biologia celular, mostrou evidências sólidas no julgamento [de Dover] de que foi mostrado em pesquisa científica revista por pares que cada um desses sistemas não eram irredutivelmente complexos.”

Fonte: Foster, Clark & York. Critique of Intelligent Design. Monthly Review Press, 2008. Página 15. A sentença do juiz ao final do julgamento de Dover é que Design Inteligente é sim criacionismo disfarçado tentando mais uma vez, numa guerra de mais de 80 anos, se enfiar nas escolas públicas dos Estados Unidos, onde a constituição proíbe o proselitismo religioso no ensino público. As evidências analisadas pelo juiz incluíam o livro didático “Of Pandas and People” ligado ao Discovery Institute, que continha reaproveitamento de parágrafos inteiros de publicações criacionistas anteriores. Uma análise até mostrou que alguém de fato substituiu “criacionistas” por “proponentes do design inteligente” às pressas no texto para tentar mascará-lo como se fosse científico. (Isso na esperança vã de estabelecer DI como ciência.) Enézio, à maneira como muitos criacionistas como Kirk Cameron alegam ter sido descrentes no passado, diz que foi um evolucionista de carteirinha. Que estranho um ex-evolucionista que não entende o conceito básico de exaptação (que explica justamente a suposta lacuna que Michael Behe tenta preencher com a complexidade irredutível), que não sabe que referência científica se refuta com referência científica, e ainda vive de colher proselitismo em blogs de fundamentalistas como Casey Luskin (procure este nome no YouTube para saber de quem se trata – é o Brasil importando porcaria enlatada dos EUA denovo). Relinchos de um blog podem ser refutados por relinchos de outro blog, por isso, Enézio, sua desonestidade persistente nesse seu blog lotado de coisas que são boas e não são suas e coisas suas que são um lixo, você ganha a medalha de ouro da desonestidade criacionista tupiniquim. Ainda que caia a teoria da evolução, Enézio, e Ardi seja um boneco fabricado durante uma noite, onde estão suas evidências para a criação? Por que você não se ocupa de fornecê-las em seu blog em vez de inventar conspirações em volta da SBPC e do mundo acadêmico?

2 e 3 – Michelson e Eberlin

Vão dividir a medalha de prata o jornalista Michelson Borges e o químico Marcos Eberlin. Achei que o Michelson não merece uma posição só para ele, só porque o nível dos blogs dele é abaixo de medíocre. Estou exagerando? Não estou. Que outro nome você dá para um blog que diz que o Ardipithecus ramiduscontinua macaco”, que coloca “sic” depois da idade de um fóssil sem fornecer refutação aos métodos com que foi determinada, que insiste na falácia constante de que se uma coisa é complexa, só pode ter sido projetada por alguém inteligente? Se você não chama isso de medíocre, está tomando esta alcunha para si. Em compensação, Michelson não é nada medíocre para fazer apresentações de powerpoint. Mas o conteúdo é quase zero. Como no dilema de Brás Cubas (“coxa, porém bonita, bonita, porém coxa”) – bonitos slides, porém inanes. Sem falar na pregação barata de ficar publicando relatos de crentes que supostamente receberam alguma coisa de Deus (geralmente algo facilmente obtido por esforço próprio) . E ainda estamos esperando um único caso de perna amputada que tenha crescido denovo com a força da oração. A desonestidade do Michelson não é tão grande quanto a do Enézio. Reside apenas na insistência dele em falar do que não sabe. Obviamente, uma pessoa que é criacionista no mínimo está precisando aprender muitas coisas, a começar pela definição de Darwin de que a evolução acontece em populações e não em indivíduos, e que não é melhoria mas apenas mudança. Isso já corta a maioria das alegações criacionistas sobre a biologia evolutiva. Para encontrar várias delas basta navegar pelos blogs do Michelson, que são um atavismo haeckeliano do criacionismo americano, que eventualmente evoluiu para a posição defendida pelo Enézio. Ah, Michelson, sobre aquele monte de besteiras que o Diogo Mainardi disso sobre aquecimento global e você amou e reiterou, pense em ler algo realmente referenciado cientificamente a respeito. Porque Mainardi não é cientista (questiono também se é jornalista… ou colunista…) e a Veja não é revista de ciência. Agora vamos para o superstar do criacionismo brasileiro, Marcos Eberlin. Michelson e Enézio adoram lembrar que Eberlin tem um currículo científico extenso, tendo recebido honrarias por seu trabalho com a química orgânica, como a recente eleição para presidente da Sociedade Internacional de Espectrometria de Massa. Querem ver o Eberlin sendo honesto? Leiam os artigos científicos dele. Querem vê-lo sendo desonesto? Leiam tudo o que ele escreve sobre evolução fora desses artigos. Aliás, Michelson e Enézio não se dão ao trabalho de informar que nenhum dos artigos de Eberlin defende realmente o criacionismo. No currículo Lattes de Marcos Eberlin as palavras “criação” e “criacionismo” não aparecem nem uma única vez. Que estranho! O tão falado “cientista criacionista” não tem nenhuma publicação científica sobre criacionismo? A argumentação extra-científica de Eberlin consiste em pregação barata mesclada a alegações falaciosas, por exemplo, a falácia non sequitur, ao dizer que se todos os aminoácidos do corpo humano são levógiros e todos os açúcares são dextrógiros, foi porque Deus deu uma de Pasteur e separou os cristais desses compostos lá no barro de Adão. Pelo visto justificação epistemológica é uma expressão que Marcos Eberlin nunca ouviu na vida dele. Alguém por favor conte a Eberlin que vários seres vivos utilizam aminoácidos dextrógiros, basta ele procurar qualquer livro de bioquímica, como o de Lehninger. E que se uma espécie usa um só tipo de quiralidade de aminoácidos, explicações racionais e plausíveis são economia de energia na produção de enzimas (coisa que a seleção natural explica) ou herança de um padrão primordial em espécies ancestrais (uma não exclui a outra). Mas estou falando em espécies ancestrais? Até isso parece que Eberlin nega. Deve ser difícil viver negando freudianamente fatos da natureza. Ah, Eberlin, e no meu entender, compreender que os padrões geométricos dos cristais derivam do princípio da menor energia, e não do gosto estético de uma entidade fantasmagórica para a qual você não tem nenhuma evidência, deveria ser considerado um pré-requisito para alguém querer ser um químico respeitado. Aguardo Enézio e Eberlin pararem de fazer acusações contra os outros e fornecerem evidências positivas para a criação. (Acho que aguardarei sentado até morrer.)

4 e 5 – Adauto e Malafaia

Dividindo a medalha de bronze, duas figuras muito… interessantes? Sim, se interessante significa hilariante. Adauto Lourenço é um dos criacionistas brasileiros que provavelmente mais ganha dinheiro fazendo palestras pelo país, geralmente em instituições religiosas (com algumas tentativas frustradas de fazer proselitismo em universidades). O Adauto é ainda mais medíocre em argumentação e conteúdo que Michelson Borges, mas faz algo que este não faz: apela para sua própria autoridade insistentemente, brandindo seu diploma pela universidade fundamentalista Bob Jones (uma universidade americana que há não muito tempo discriminava os negros em suas dependências). Além deste diploma, Adauto adora associar seu nome a instituições científicas respeitadas ao redor do mundo nas quais fez breves estágios (veja este tópico do fórum Club Cético). Quando não está falando que é isso ou aquilo, Adauto geralmente está falando altas besteiras sobre evolução, praticamente todas listadas nos típicos erros criacionistas. Ele parece representar também um atavismo do criacionismo americano no aspecto de inflar o currículo. Bette Chambers, uma americana de Lacey, Washington, contou-me que antes da internet surgir ela chegou a encontrar criacionistas que, em seus currículos, inventavam universidades que não existiam para parecerem respeitáveis o suficiente ao ponto de ter liberdade para dizer asnerias sobre evolução. Silas Malafaia não precisa inventar currículo, nos lembramos muito bem dele, na época em que usava bigode, apoiando Edir Macedo. Agora é todo críticas contra a Igreja Universal, mas ao mesmo tempo pede centenas de reais para seus telespectadores para uma tal “unção financeira”. Faltou dizer que o beneficiário da unção financeira não é o telespectador. Meu amigo evangélico Eliel Vieira elaborou uma crítica ao Malafaia que vale a pena ler. Tenho preguiça de refutar o que Silas Malafaia diz sobre a evolução e os evolucionistas. Já fizeram isso por mim na lista dos típicos erros criacionistas. Só me resta dizer que Malafaia é tão confiável falando de ciência quanto prometendo a unção financeira que ele vai te dar se você depositar 900 reais onde ele quer.
*** _________________________ Leia também

  • Não endosso as argumentações de nenhum deles (atenção, leia de novo, eu não endosso a argumentação deles), mas não acho que deva considerá-los pessoas desonestas.

    Em certo sentido, Eli, eles são honestos. Eles são honestos com aquilo que crêem. Eles creêm que a Bíblia traz uma revelação da parte de Deus sobre a origem de todas as coisas, então defendem esta crença com unhas e dentes, buscando na ciência vestígios de que eles estão certos.

    Novamente, não estou falando que eles estão corretos, mas honestos com suas crenças eles estão sendo.

    Se algo como "desonestidade" neles, ela é a mesma desonestidade que podemos evidenciar em todo grupo que responde por qualquer crenças, até mesmo entre os ateus.

    Você sabe ser verdade Eli que um bom número desses ateístas existentes por aí só é um bando de revoltadinho com a vida que quer aparecer (principalmente depois da outcampaing). Boa parte tem dezenas de conclusões sobre a Bíblia sem jamais tê-la pego para ler.

    Enfim… gostaria de saber em qual sentido você considera os 5 cristãos supra-citados como desonestos e, seria interessante, gostaria que você argumentasse porque a honestidade é mais virtuosa que a desonestidade uma vez que você acredita em um naturalismo metafísico. Refazendo a pergunta, o que fundamenta objetivamente algo honesto e porque devemos buscar ser honestos uns com os outros?

    PS: bom ver você postando aqui novamente.

    Abraço!

  • Oi Eliel,

    compreendo o que você quer dizer, mas creio que a semântica do que você chama de honestidade neste caso está meio turva.

    Eles são sinceros nas crenças fundamentalistas deles? Sim. Creio que "honestidade" como você usou é sinônimo de sinceridade.

    Mas nem sempre sinceridade está acompanhada de honestidade.

    Honestidade no sentido de honestidade intelectual. É de conhecimento geral, por exemplo, que alguém deve conhecer alguma coisa antes de tentar criticá-la.

    Michelson Borges, Marcos Eberlin e Adauto Lourenço obviamente não conhecem a teoria da evolução, mas mesmo assim julgam-se dignos de rechaçá-la com base em seus pressupostos. Isso já é desonesto por si só.

    É também do senso comum que não é coisa de gente honesta pedir a cabeça de alguém por motivos fúteis. E aí está Enézio de Almeida querendo a demissão de um editor da Ciência Hoje. Outro aspecto em que mostra desonestidade de Enézio é a maneira como ele omite informações e manipula outras em seu blog para fazer parecer que a teoria da evolução está caindo. O caso da resposta dele ao Reinaldo Lopes é notável nisso.

    Por fim, Eliel, não entendo a relevância da sua pergunta concernente ao meu naturalismo metafísico. Dá a entender que a moral é uma coisa sobrenatural, o que claramente não é. A moral é praticada por pessoas de carne e osso e com base em ações no mundo concreto.

    A moral é baseada tanto em preceitos fabricados pelos humanos quanto em sentimentos que temos em resposta às ações de outrem. A empatia motiva a ajuda ao próximo, a dor física ou psíquica motiva o desejo de punição de quem a causou, e o prazer motiva agir dessa ou daquela forma.

    Creio que sua pergunta contém um pressuposto que você mesmo não demonstrou.

    Já está claro o suficiente que agir "bem" ou "mal" geralmente independe de crenças particulares dos agentes sobre a natureza do mundo. Se assim fosse, haveria diferença estatisticamente detectável entre boas ações de cristãos e de não cristãos ou ateus, o que não é o caso.

    Se tivemos a cristã Madre Tereza (que na verdade era uma cética no armário), tivemos também o ateu Betinho.

    Um abraço.

  • Godzila

    Olá,

    Muito bom seu post, caí aqui vindo do blog Rainha Vermelha do Átila.
    Parabéns!

  • Obrigado, Godzilla.

  • Parabéns pelo post, Eli. Como sempre, argumentos contundentes e muito bem fundamentados, e a tirinha sintetizou muito bem a idéia. Abraços!

  • Valeu, Manoel! Um abraço.

  • Eli, vc se esqueceu do Sodré, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Eleassar, não vou dar fama grátis para o Sodré.

    E ele não merece nem medalha de bronze, o que ele diz é da mesma natureza do que sai pelo reto de um lhama.

  • Alberto

    Parabéns pelo blog!
    Continue assim!
    Sempre!!

  • Bom. Como já fui criacionista posso falar por experiência própria. Tive a oportunidade de pessoalmente conhecer o Duane Gish, que foi meu professor de criacionismo por algum tempo. Quando o perguntei qual dos "modelos" ele achava ser o mais sólido, ele me admitiu em off que considerava o modelo evolucionista mais forte que o criacionista. Acho que isso foi um ato de honestidade por parte dele.

    Conheço vários criacionistas e não tenho motivos para duvidar da sinceridade deles, e creio que a desonestidade intelectual que praticam, pelo menos em boa parte dos casos, tem explicação.

    Os criacionistas ignorantes não são necessariamente desonestos, mas são, bem, simplesmente ignorantes (perdão pela redundãncia). Quanto aos criacionistas que não são ignorantes, estes por sua vez sofrem de dissonância cognitiva.

    Dissonância cognitiva é a argamassa que sustenta o intelecto conflitante de muita gente, criacionistas inclusos. É um defeito fundamental no tipo de raciocínio que adotam, pois consideram experiências religiosas subjetivas como se tivessem mais autoridade do que evidências científicas objetivas. No caso dos criacionistas, o tipo de dissonância cognitiva em questão se chama "true believer syndrome".

    Tendo dito isso, asseguro que jamais poria minha mão no fogo pela possível sinceridade desses caras aí, premiados pelo Eli. Só o currículo do Adauto Lourenço deveria valer uma medalha de ouro.

  • Anônimo

    Que estupidez! Isso é coisa de ateu fanático!

    Não tem mais que fazer?

  • Ih, olha só, um anônimo covarde atacando, que surpresa.

  • Triste é ver, certa vez, o Eberlin, respondendo pelo Sodré a mim, quando citei "sistemas de moléculas colaborantes", aquilo que ele, como macaco pelado que é, É, tr citado que nunca em sua vida de químico soube deste "tipo" de molécula, como se alguém tivesse falado de uma família de compostos.

    Só faltou ele começar a entender que uma enzima multiplicou seu DNA, e um DNA coordenou a produção de uma enzima, e em colaboração, permitiram que ele escrevesse besteiras como essa (e outras), no afã de tentar defender sua fé tola, talvez com alguns pingos de ciência sólida.

    É igualmente incapaz de acordar que design inteligente não implica em não-evolução, nem necessariamente, em criacionismo bíblico.

    A meu ver, um "pobre diabo", com graves problemas com filosofia da ciência e lógica aplicada, mesmo com currículo científico respeitável.

    PS: Ah! Faltou um "UI!".

  • PS2: Achei uma injustiça não colocar um 6o, o Nahor:

    Só por que você já escreveu sobre ele?

    EIHN?

  • Hahah… sim Xico, só por isso.

    E também porque tenho dó da cara de tristeza que ele faz quando tenta argumentar pelo criacionismo (nesse vídeo aí que vc passou ele faz essa cara).

    😛

  • Sandro Marques

    Nossa, TANTA BESTEIRA!

  • Acabo de assistir aos vídeos do debate com o Nahor, linkados acima pelo Xico. Que surra! O Cardoso de Pinna arrebentou o cara!

    O coitado do Nahor só fala bobagens, e tenta desesperadamente se segurar em qualquer pedaço de pau que flutue. Ele cita até mesmo àquela pergunta do vídeo-arapuca que os cripto-crias (medalha, medalha, medalha!) australianos armaram para o Dawkins cair ele, como se o Dawkins nunca tivesse respondido aquilo.

    Ele faz de conta que não há relação alguma entre DI e criacionismo, apesar de provas cabais do contrário já terem sido apresentadas em juízo na Pennsylvania.

    Relega evolucionistas teístas como Theodosius Dobzhansky ao status de hereges incoerentes.

    Diz que o Archaeopterix é o único fóssil transicional que existe, mas que mesmo assim não era, pois, alega, não passava de uma ave!

    Menciona o fato de importantes cientistas terem sido criacionistas como significativo, apesar do fato de terem vivido antes de Darwin. Será que ele não tem tutano suficiente para ponderar se Newton ainda teria sido um criacionista, mesmo se tivesse nascido depois da segunda metade do século XIX?

    Em que planeta esse Nahor vive? Na Terra do nunca!? Como pode um sujeito aparentemente inteligente ser tão alienado?

    Esse aí merece prêmio, ou por desonestidade, ou por dissonância cognitiva, ou por ambas as coisas!

    Medalha pra ele!

  • Alex, você deve ter reparado também que o Nahor já escreveu até livro defendendo Terra jovem, quando nos artigos científicos que ele deve constar como autor ainda usam a real idade da Terra.

    Ele chama isso de "Geologia convencional". Nem nisso ele acredita! Uma das premissas básicas para um geólogo é aceitar a mensuração de Terra antiga reprodutível e até hoje resistente a tentativas de refutação.

    Vamos dar sim uma medalha de latão para ele.

  • Eli

    Fantástica sua colocação a respeito da desonestidade criacionista. Também é hilária que é o que criacionistas com suas idéias mirabolantes são.

    Sou totalmente contrário a eles e ao fundamentalismo religioso.

    Possuo um blog científico que busca desmestificar as idiotices que criacionistas "criam".

    Convido vc para ser meu associado. E jamais desanime da empreitada de lutar contra o fundamentalismo que nos assola.

    Sou seu companheiro nesta luta. Mas infelizmente, o que falta a nós é organização que os místicos criacionistas têm de sobra.

    A respeito de meu blog (segue na insígnia), tive de fechar para comentários por ter suido eu e minha família ameaçados por cristãos fundamentalistas (cada dia me decepcionam mais…).

    Grande abraço

  • Eli olha só essa aqui. Até onde vai a desonestidade do Enézio e a ingenuidade do Michelson.

    A Síntese Evolutiva Moderna (neodarwinismo) “já era”

    http://www.michelsonborges.com/

    e veja só esta outra reportagem em que entrevistam Naor, Azevedo e Michelson (jornalista científico!?):

    Folha Universitária entrevista criacionistas

    Também no mesmo blog.

    Acho que vc acertou a sua classificação em cheio, embora tenha umas figuras que acho que superam eles em ignorãncia e desonestidade.

  • Ola.

    Gostei do seu tom, direto, neste post. Vc ja foi processado por esta galera?

    O que eu gosto em debates como este é exercitar o poder de argumentação e identificar as armadilhas e baboseiras usadas pela galera pseudo*. Infelizmente isto me desgastou no passado, na época que eu me incomodava com existir alguém errado na internet. Na época o orkut era invadido por revisionistas inclusive – diferente target mas usam as mesmas armas.

    A informação é a melhor arma contra a ignorância, e aqui falamos de ignorância aplicada e desonestidade. Acredito que faltam mais livros esclarecedores a preços módicos e um melhor preparo dos professores para reverter a situação.

    Anos atrás a TV Cultura tinha bons programas científicos para o publico infanto-juvenil como o Mundo de Beakman e O Professor – me lembro de colegas não nerds que viam varias vezes por semana até. Hoje a TV talvez não tenha a força que tinha 15 anos atrás mas é através de blogs e sites como este que uma pequena parcela consegue se informar. Me lembro quando descobri o Projeto Ockham que eu li TUDO em uma madrugada.

    Bom, parabéns e continue assim.

  • Olá Eliel,

    Já havia estado em seu blog antes, mas foi apenas agora, após criar o meu próprio blog (http://mangaiocientifico.blogspot.com), que voltei a "topar" com o Ttrapharmakos e ler alguns de seus posts, enfim conhecer melhor o seu trabalho. Acho que temos muitas opiniões em comum. Seus posts são muito inteligentes. Conheci o Marcos Eberlin no congresso da BrMass em Campinas e acredito fortemente que ele sofre de dissonância cognitiva, mas o fato de não mencionar nada sobre sua visão e sobre suas atividades de promoção do criacionismo em seu Lattes não é nada honesto. Abraço e mantenha o bom trabalho!

  • Olá, Eduardo, muito obrigado pela gentileza. Vou dar uma olhada no seu blog.

    Meu nome é Eli, Eliel foi quem primeiro comentou neste post.

    Abraço

  • Achei bárbaro! Dei muita risada, o que significa que você escreve de uma forma admirável, e expande suas idéias com links formidáveis, como
    este dos 900 pilas da Unção financeira by SIlas Malafaia ..> este ano entáo seria 1.100 reais pela numerologia divina ali proposta, pro cristáo receber Com Certeza uma bela recompensa de deus.
    Deus faz promessas…

    Eu náo acredito que eles creiam
    nisso.
    Náo mesmo.

    Mas vocë é magnífico, inteligentíssimo. Valeu.

  • Eli,

    O link do texto do Sérgio Pena foi mudado. Vou colocar aqui caso alguem queira ver 😉

    http://cienciahoje.uol.com.br/colunas/deriva-genetica/evolucao-e-religiao/

  • Obrigado, Icarus.

  • Eli, adorei o blog, muito bom, gostaria de pedir para quando você tiver tempo, que comentasse o texto deste link: http://www.outraleitura.com.br/web/artigo.php?artigo=44:O_que_o_criacionismo_nao_e , não sei se você já comentou aqui no blog, se comentou eu não encontrei. De novo, adorei o blog, excelente!

  • Júnior D Eskelsen
  • Sandro Rogerio

    Vc perde tempo, pois tem duvidas em suas afirmações,e quer se auto afirmar, como sua verdade sendo a mor.

    ou vc quer eu liste uma infinidade de atus desonestos também, como se a desonestidade fosso uma caracteristica exclusivados ateus, descendentes de primatas..k.kk

  • Jonatas Silva

    Eli, excelente matéria. Também acho que Nahor devia figurar na lista. Porque criacionista terra-jovem consegue ser mais absurdo que criacionista, por mais improvável que seja, existem ainda piores… terraplanistas.
    Um adendo – o título é um pouco redundante: todo criacionista com graduação é desonesto ahahaha :P. Abraço

  • Sandro Pelegrineti de Pontes

    O que vocês não suportam é que não são apenas alguns poucos gato-pingados que começam a rejeitar o evolucionismo. Se ainda fosse assim, vá lá. Mas o que dói em vocês é constatar que no mundo inteiro cientistas renomados, inclusive ateus, rechaçam o evolucionismo e o apresentam como um dogma central da comunidade cientifica. Tão verdadeiro quanto o coelhinho da páscoa. Vejam: são estes cientistas do mundo inteiro que o dizem, não eu, que não sou cientista. Abraços.

    • T. Chertoff

      Hahahahaha! Quem te falou isso? O “pastô?

  • brzli

    A crítica a algumas hipóteses evolucionistas não fortalece o criacionismo. Esse é o problema. Tem gente defendendo Darwin cegamente apenas como uma estratégia de combate ao fundamentalismo religioso que, convenhamos, não prospera entre a maioria das pessoas instruídas.

    No entanto, não podemos ignorar que pessoas como Dawkins fazem um desserviço à ciência, defendendo um materialismo empoeirado da era vitoriana.

  • Allan Cic

    Mas, em meio a tantas críticas à pesquisa em biologia
    evolutiva, onde estão as evidências para a criação ou para o acaso?
    O religioso, para defender seu grande Zeus acredita no
    criacionismo.
    Ateu, para defender sua crença, acredita no acaso.
    Alguns poderiam dizer, ….”quem falou em acaso?”……

    Oras bolas! Só existem duas alternativas….ou foi criado ou
    apareceu por acaso.

    E qualquer uma que você escolher, é puramente uma crença.

    Logo, para que tanta “farofa” contra a Teoria da Evolução?

    Se tudo foi criado, ou apareceu por acaso…..não faz o
    menor sentido, para o progresso da teoria.
    Em particular pode até fazer a diferença, porém a evolução
    seguirá.

    p.s. não apoio o charlatanismo criacionista

    • “Ou foi criado ou apareceu por acaso.” Falácia da falta dicotomia.

      • Allan Cic

        Qual seria a terceira, quarta, quinta…..opção?
        Ou foi criado ou apareceu por acaso, não têm falso dilema, nessa afirmação.

  • Allan Cic

    Nas duas teorias científicas (big bang e evolução), o que
    torna os artigos e debates ridículos, são os argumentos religiosos e ateístas.
    É incrível, você procura um texto ou artigo na internet, para se inteirar do assunto, e sempre encontra um grupinho de ateus revoltados e religiosos fanáticos se digladiando.
    O religioso querendo usar a ciência para comprovar seu deus pessoal.
    O ateu querendo usar a ciência para comprovar seus distúrbios bíblicos.
    As duas teorias, não têm nada a ver, de como tudo possivelmente teria surgido.
    A expansão do universo e evolução das espécies, não mostram
    nada sobre origem, e qualquer argumento que vier depois disto é pura opinião (não é este o objeto de estudo destas teorias).
    Se bem que os ateus, até gostariam que fosse, seria ótimo
    provar cientificamente que tudo apareceu por acaso, principalmente vida e inteligência, que são tão abundantes nestes trilhões de trilhões de galáxias.
    Há pouco mais que 150 anos de ciência (moderna), e ainda não temos conceitos cientifico do básico.

    Matéria não é um conceito físico nem matemático, é um
    conceito metafísico.

    Movimento não é um conceito físico nem matemático, é um conceito metafísico. (ele acontece no mundo da física, mas é um conceito metafísico)

    Quantidade não é um conceito matemático, é um conceito
    metafísico.

    Causa não é um conceito matemático.

    O quanto sabemos do universo?

    4%???

    E os outros 96% de matéria e energia escura?

    Vida está bem debaixo de nossos microscópios e computadores….e o que sabemos?

    Alguém poderia dizer…..”sua anta, a ciência sabe muito”….

    O que a ciência sabe, não ajuda em nada em nossas dúvidas,
    pode melhorar nosso conforto, nossos remédios e tratamentos…..mas, de resto?

    Portanto, para melhorar a divulgação científica, a qualidade
    dos artigos e debates.
    Seria bom evitar o inútil, como religião, bíblia, crenças, etc…
    E os ateus que fossem procurar outras paradas, para sustentar suas paranoias e revoltas com a bíblia.
    Eu não leio e não uso a bíblia para nada, principalmente
    para argumentar ou contra argumentar.
    Gostaria de viver o suficiente, para ver a ciência prosperar
    ainda mais.
    E ver ateu defendendo sua opinião, sem usar algum tipo
    de livro “sagrado” ou anedótico.

  • HGNTRHXHNHRJ FJ,WLJWVtuhvV1F

    Ateísmo tem que vir acompanhado de anedotas imbecis e repugnates para distrair o leitores sobre os saltos quanticos de mentiras sobre verdades nas entre linhas? É parte do teatro hipnotico? Lamentavel. A ciencia dos homens não entende o criador da ciéncia. Os homens descobrem as formulações das leis, e esquecem que a lei ja estava devidamente estabelecidas. A Bíblia diz em 2 Pedro 3:3-4 “Sabendo primeiro isto, que nos últimos dias virão escarnecedores com zombaria andando segundo as suas próprias concupiscências.